Bush busca aproximação com México e Canadá

O presidente dos EstadosUnidos, George W. Bush, encontrou na segunda-feira os líderesdo Canadá e do México numa luxuosa mansão de cedro parapromover as relações econômicas e de segurança, masmanifestantes vaiaram o norte-americano e lamentaram o carátersigiloso da chamada "Cúpula dos Três Amigos". Nesses dois dias, Bush, o canadense Stephen Harper e omexicano Felipe Calderón devem tratar também da atual crise decrédito e das turbulências nos mercados financeiros mundiais. Por causa do furacão Dean, que se aproxima da península doYucatán, no sudeste do México, Calderón abandonará a reuniãomais cedo. "Voltarei ao México amanhã mesmo para acompanharpessoalmente os trabalhos de proteção civil", disse Calderón ajornalistas. A agenda do presidente mexicano incluía um dia extra parauma visita com Harper aos montes Gatineau e um almoço comempresários em Toronto. Canadá e México se sentem frustrados com o recuo docomércio devido às restrições fronteiriças adotadas pelos EUAapós os atentados de 11 de setembro de 2001. As transaçõesentre os três países, participantes do Acordo de Livre-Comércioda América do Norte (Nafta, na sigla em inglês) haviamexperimentado uma fase de expansão antes dos ataquesterroristas. Tentando contornar o problema, os países criaram a Parceriade Segurança e Prosperidade, criticada pela direita e pelaesquerda por supostamente violar as soberanias nacionais. Enquanto Bush e Calderón desembarcavam na estânciaturística de Montebello, Québec, mais de 2.000 manifestanteschegavam também, encontrando policiais de choque. "Prendam os criminosos dentro da cerca", "George Bush, vaipara casa", gritavam os manifestantes, vários deles de preto ecom os rostos cobertos. Harper minimizou o incidente. "Ouvi falar que não foi nada.Um par de centenas [de ativistas]? É triste", afirmou o premiêcanadense pouco antes de mostrar a construção de madeira aBush. Para piorar a ira dos manifestantes, uma cerca de trêsmetros foi erguida em torno do hotel para mantê-los afastados. Os ativistas criticam o fato de a cúpula ocorrer longe doscidadãos comuns, sem qualquer votação planejada no Parlamentocanadense ou no Congresso dos EUA, e com consultas apenas alíderes empresariais. "Eu particularmente sou contra que o criminoso de guerraBush tente anexar o Canadá e o México, coloque as ForçasArmadas e os serviços policiais sob o comando dos EUA. Isso étudo muito perigoso", disse o nova-iorquino Dean Lawveri, 39anos. Mais tarde, um pequeno grupo de manifestantes começou ajogar pedras, garrafas e latas na polícia, que respondeu comgás lacrimogêneo. (Com reportagem adicional de Caren Bohan e Randall Palmerem Ottawa e Alister Bell na Cidade do México)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.