Bush deve anunciar retirada de 30 mil soldados do Iraque

Após sugestões de seu general no país, David Petraeus, presidente deverá se pronunciar na quinta-feira

Agências internacionais,

11 de setembro de 2007 | 18h32

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, deve anunciar ainda nesta semana que pretende reduzir a presença de tropas americanas no Iraque em 30 mil soldados até meados de 2008, como sugerido por seu general no país, David Petraeus, na segunda-feira, 10. Mas a manobra só será executada sob condições a serem apresentadas, confirmaram fontes do governo americano nesta terça-feira, 11.  Veja também:Especial sobre a ocupação do Iraque Petraeus enfrenta ceticismo de senadores  Petraeus prevê redução até 2008  Segundo a rede de televisão CNN, Bush deverá fazer o anúncio na quinta-feira, 13, numa mensagem à nação. A Casa Branca planeja emitir um comunicado sobre o assunto na sexta-feira. Em seu pronunciamento, Bush deve dizer que entende a preocupação dos americanos sobre o envolvimento do país na guerra e seu desejo de trazer as tropas pra casa. O presidente também pretende anunciar que decidiu diminuir o número de soldados, mas não abandonar o Iraque, afirmam as fontes. Com a redução das tropas, ficariam no Iraque cerca de 130 mil soldados americanos em meados de julho - a mesma situação até janeiro de 2007. Desde fevereiro, começaram a chegar mais soldados ao território iraquiano, como parte de um plano de Bush para pacificar Bagdá e a província de Anbar, de maioria sunita. Petraeus disse que os bons resultados conseguidos com a estratégia de aumento de forças permitirão iniciar a redução gradual das tropas a partir deste mês. No entanto, ele não quis falar sobre a retirada dos soldados após julho de 2008.Diálogo com a oposição Nesta terça na Casa Branca, Bush se encontrou com legisladores democratas e republicanos doa Câmara dos Representantes (deputados) e do Senado para discutir a situação no Iraque. "Acho que é muito importante que antes de tomar uma decisão eu consulte os líderes da Câmara e do Senado", disse. O presidente deve adotar as recomendações de Petraeus e relatar seus planos ao Congresso em março, afirma uma autoridade. As sugestões do general, entretanto, não impressionaram os democratas, que desejam uma retirada mais rápida dos militares. O presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, o democrata Joseph R. Biden, afirmou nesta terça em uma audiência que contou com a participação de Petraeus, que os americanos não podem suportar uma "guerra sem fim" no Iraque. Para ele, este é o momento de "virar a página" e "trazer as tropas para casa". Já o porta-voz da Casa Branca, Tony Snow, defendeu a estratégia do general. "Parece-me que se temos algo que funciona, o desejável é que continuemos" com isto, disse em entrevista coletiva. Ele negou, entretanto, que essa fosse uma prévia do que Bush diria aos EUA. Descontentes Muitos republicanos estão descontentes com a idéia de manter as tropas no Iraque, mas também estão relutantes em abraçar uma legislação que ordene a retirada das tropas.  Se o apoio republicano à guerra se manter, ao menos por enquanto, democratas terão que aliviar a pressão que estão fazendo para aprovar uma proposta contra a guerra. Mas eles continuam sob pressão substancial dos eleitores e grupos políticos antiguerra para acertar a retirada das tropas ou o corte de verba de guerra - legislação que tem poucas chances de ser aprovada.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.