Bush diz que luta no Iraque é crucial para a segurança dos EUA

Este é o segundo discurso em que o presidente procura angariar apoio à guerra em menos de uma semana

Jennifer Loven, da Associated Press,

28 de agosto de 2007 | 17h38

Em mais uma tentativa de defender a manutenção das tropas americanas no Iraque, o presidente George W. Bush disse nesta terça-feira, 28, que uma eventual retirada abriria o caminho para que forças extremistas prevaleçam no Oriente Médio, colocando em risco a segurança nos EUA. Veja TambémViolência mata mais de 50 e encerra festiva xiitaIrã quer preencher vácuo de poder no IraqueFluxo de imigrantes iraquianos vai aumentar Brown descarta retirada de tropas "Eu peço aos nossos amigos cidadãos que pensem no que acontecerá se essas forças do radicalismo e extremismo nos levarem a sair do Oriente Médio", disse Bush em um discurso a milhares de veteranos de guerra durante um encontro da Legião Americana. "A região seria dramaticamente transformada de uma maneira que pode colocar o mundo civilizado em risco." Este é o segundo grande discurso em que o presidente procura angariar apoio à guerra em menos de uma semana. O pronunciamento acontece cerca de quinze dias antes da divulgação de um relatório preparado pela administração sobre os impactos da ampliação das forças americanas no Iraque realizada no início do ano.  "Os Estados Unidos não vão abandonar o Iraque em seu momento de necessidade", continuou o presidente.  Segundo Bush, o "progresso" militar obtido nos últimos meses no Iraque demorará para ser traduzido em avanços políticos. "Os líderes em Washington precisam procurar maneiras de ajudar nossos aliados no Iraque, e não encontrar desculpas para abandoná-los." Bush descreveu a guerra como a maneira mais rápida de colocar todo o Oriente Médio no caminho da democracia, expansão econômica e estabilidade.  "Ou os interesses dos nossos inimigos avançam ou nossos interesses avançam. A maneira mais imediata de conter as ambições da Al-Qaeda, Irã e outras forças da instabilidade e terror é ganhando a guerra no Iraque." Enfrentando uma crescente oposição de legisladores americanos à manutenção das forças americanas no país árabe, Bush tenta com esse e outros discursos recentes ampliar o leque de argumentos contrários à retirada. Com o relatório que deve ser lançado nos próximos dias, a quantidade de pedidos por uma retirada deve crescer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.