Bush diz que vitória democrata provocaria outro 11/09

Presidente americano afirma que retirada do Iraque daria confiança aos 'extremistas do Oriente Médio'

Efe,

14 de maio de 2008 | 08h11

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta quarta-feira, 14, temer que a vitória de um candidato presidencial democrata abra caminho para um novo ataque terrorista no país. Em entrevista à revista Politico e ao portal de internet Yahoo! News, o presidente americano também afirmou que estava decepcionado com o que qualificou de uma "informação falha da Inteligência" que recebeu antes de lançar a Guerra do Iraque em 2003.   Segundo essa informação, o regime do derrubado presidente Saddam Hussein mantinha contatos com o terrorismo e desenvolvia armas de destruição em massa. "Se penso que alguém mentiu para mim? Não, não acho. Penso que analisaram a situação e tiraram uma conclusão equivocada", assinalou.   Bush também afirmou estar preocupado em deixar a seu sucessor uma Guerra do Iraque que não foi concluída, e comentou sobre o fato de os dois pré-candidatos democratas, a ex-primeira-dama Hillary Clinton e o senador Barack Obama, prometerem pôr fim ao conflito se chegarem à Casa Branca em janeiro do próximo ano. "Neste cenário apocalíptico, certamente os extremistas de todo o Oriente Médio se sentiriam desafiantes e isso, eventualmente, conduziria a outro ataque aos Estados Unidos", assinalou.   Bush também admitiu que tinha pouco conhecimento sobre a ameaça do aquecimento global quando chegou à Casa Branca, em janeiro de 2001, e reconheceu que o problema "é verdadeiramente real". No entanto, defendeu sua oposição ao Protocolo de Kyoto sobre a mudança climática, e o qualificou como um "acordo desastroso". "Eu poderia ter apoiado um acordo desastroso e todo mundo teria dito 'como ele é um sujeito fabuloso', mas isso não teria dado resultados", assegurou.   Bush também criticou o Congresso sob controle do Partido Democrata por não agir para resolver questões como a aprovação de tratados de livre-comércio e por não reagir adequadamente à crise imobiliária. "Diria que (os legisladores) se estagnaram. Diria que até agora foram bem na oratória e mal nos resultados", indicou.   Prévias democratas   Bush também manifestou sua solidariedade aos pré-candidatos democratas à Presidência, que participam de uma dura campanha pela nomeação. "Lembro-me de como foi em 2000, eu estava exausto. E a minha eleição primária terminou em pouco tempo, em comparação com esta. Os dois pré-candidatos devem estar esgotados", assinalou.   Além disso, o presidente americano descartou totalmente uma discussão racial nos Estados Unidos caso Obama consiga a candidatura democrata. "Acho que a maioria dos americanos possui uma mente aberta e escolherá o presidente que proteja a segurança dos EUA e mantenha os impostos baixos. Acredito que a raça só será um tema de debate se isso surgir na imprensa", indicou.

Tudo o que sabemos sobre:
George W. BushEUAeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.