Bush e Congresso batem recorde de má avaliação

A avaliação do presidente americano, George W. Bush, e do Congresso dos Estados Unidos pela população bateu um recorde negativo, segundo pesquisa Reuters/Zogby divulgada nesta quarta-feira, 19.                                   Somente 29%  dos americanos têm uma avaliação positiva sobre o governo Bush. Até então, o pior resultado para ele na pesquisa Zogby fora em março, 30%. Pior ainda é a situação do Congresso, aprovado por apenas 11% - o recorde negativo anterior era de 14%, em julho.   De acordo com a sondagem, um em cada três americanos espera uma recessão no país no próximo ano. As comunidades hispânicas e negras expressaram maior temor sobre uma recessão do que as brancas, refletindo uma ansiedade mais alta sobre a economia e o desemprego entre as minorias do país.   Já o Índice Reuters/Zogby, que estréia como novo termômetro dos ânimos no país, caiu de 100 (base estabelecida em julho como padrão) para 98,8.   "Desde que fizemos a pesquisa anterior, tivemos a crise das hipotecas e estamos ouvindo a palavra recessão muito mais do que no passado", disse o pesquisador John Zogby. "Há coisas ocorridas no levantamento de setembro que levaram o número um pouco para baixo, e são principalmente preocupações econômicas."   O novo índice combina as respostas a 10 questões relativas aos líderes dos EUA, aos rumos do país e à situação pessoal dos entrevistados. Um resultado abaixo de 100 indica que o humor da população piorou em relação a julho. Em agosto, o índice permaneceu em 100. O índice será divulgado sempre na terceira quarta-feira de cada mês.   Na pesquisa nacional por telefone, com 1.011 possíveis eleitores, entre 13 e 16 de setembro, só 27%  responderam que o país está indo na direção certa. Quase dois terços,  62% da população, acham o contrário.  Também dois terços acham que o valor de suas moradias vai ficar estável ou cair no ano que vem.    A pesquisa também detectou escassa confiança na política externa e na política econômica, que foram consideradas regulares ou ruins por respectivamente 73% e 68% dos entrevistados.  A margem de erro da sondagem é de 3,1 pontos percentuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.