Bush e Karzai discutem estratégia para o Afeganistão

Presidente afegão inicia visita de dois dias aos EUA para discutir ainda combate ao Talebã e à Al Qaeda

BBC Brasil, BBC e Reuters

05 de agosto de 2007 | 21h11

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, iniciou neste domingo, 5, a viagem de dois aos Estados Unidos para se encontrar com o presidente George W. Bush. Nesta segunda-feira, os dois líderes devem participar de uma coletiva de imprensa agendada para 12h25 (horário de Brasília). Na pauta de discussões devem constar o esforço de seis anos para reconstruir o país - devastado pela guerra - , o combate ao Talebã e à Al Qaeda, o número crescente de civis mortos nas operações da Otan e a erradicação das plantações de ópio, a matéria prima para a produção de heroína.        Acredita-se que Bush irá pressionar Karzai a exercer sua autoridade por todo o país e combater a corrupção. Os dois líderes devem discutir também o destino dos 21 reféns sul-coreanos seqüestrados pelo Talebã. Do grupo inicial de 23 missionários, dois foram mortos. A Coréia do Sul pressiona os Estados Unidos e o Afeganistão a fazer todo o possível para negociar alibertação dos que ainda são mantidos em cativeiro. Fontes médicas afegãs dizem que o Talebã estaria pronto a trocar dois reféns doentes por dois integrantes do grupo, detidos pelo governo afegão. Os Estados Unidos estão dando uma ajuda militar este ano de US$ 10 bilhões para o Afeganistão investir em suas forças de segurança. O presidente afegão deve pedir para que os EUA pressionem o Paquistão para fazer mais contra os insurgentes que cruzam a fronteira e atuam no país. Já o governo americano vem dando declarações recentes se dizendo preocupado com a influência no Afeganistão de outro de seus vizinhos, o Irã. Autoridades dos EUA descreveram a reunião de dois dias entre Bush e Karzai como uma sessão de estratégia sobre o Afeganistão, onde a violência subiu nos últimos 18 meses para o pior nível desde a caçada ao Talebã, em 2001. Karzai, alvo de três tentativas de assassinato, é considerado um aliado crucial para os EUA e possui apoio do Congresso norte-americano e da administração Bush.   Apesar disso, o presidente afegão vem encontrando dificuldades para construir um governo centralizado em um país com histórico de populações tribais desunidas e com grande controle de líderes militares em muitas das províncias. Karzai está lidando com numerosos desafios, incluindo ataques a bomba do Talebã, a elevação no número de civis mortos no fogo cruzado entre governo e milícias e a expansão do comércio de ópio. O Afeganistão distribui mais de 90 por cento do ópio consumido no mundo, e a safra tornou-se uma fonte de dinheiro para o Talebã e uma influência de corrupção no governo.  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.