Bush e Putin encerram último encontro sem acordo sobre escudo

Os presidentes dos EstadosUnidos, George W. Bush, e da Rússia, Vladimir Putin,finalizaram neste domingo o último encontro como chefes deEstado com elogios mútuos, mas sem soluções para a disputarelacionada ao escudo anti-mísseis dos EUA. Com a saída de Putin do poder marcada para o próximo mês eBush no fim do seu mandato, ambos os líderes deram ênfase àforte empatia pessoal que eles alegam ter ajudado a manter asrelações entre os países sem sobressaltos. Entretanto,discordâncias sobre o plano norte-americano do escudoanti-mísseis no Leste Europeu significam que o encontro nacosta do Mar Negro acabou sem acordos. Após o encontro, um assessor de Bush concluiu que nenhumacordo seria feito até a mudança na Presidência dos doispaíses. Isso pode atrasar o processo até o começo do próximoano. "Essa é uma área na qual temos que trabalhar para convencera Rússia de que o sistema não tem como objetivo a Rússia",afirmou Bush após as conversas com Putin durante as férias dopresidente russo no resort de Sochi. Para deixar um legado positivo aos sucessores, os doislíderes assinaram um documento desenhando um plano de açõespara futuros laços após ambos deixarem os cargos e disseram quecontinuariam trabalhando para chegarem a um acordo sobre oproblema do escudo. Em preparação para a saída de Putin em 7 de maio, Bushtambém conversou com Dmitry Medvedev, aliado de Putin queassumirá o cargo de presidente. O presidente norte-americanofez um breve relato sobre sua primeira impressão. "Muitopositiva. Um cara esperto." Há sete anos, Bush afirmou que examinou a alma de Putin eencontrou nela um homem no qual ele poderia confiar. Desdeaquilo, as relações entre os dois países pioraram devido adisputas sobre o Irã, Kosovo, o escudo anti-mísseis e aexpansão da Otan. Mas os dois líderes elogiaram-se após as conversas em Sochie Bush se juntou a Putin no palco para dançar com um conjuntofolclórico russo em um jantar informal no sábado. "Sempre apreciei suas (de Bush) superiores qualidadeshumanas: honestidade, sinceridade e a habilidade para ouvir umparceiro. Isso vale muito", disse Putin em coletiva deimprensa. PUTIN "CAUTELOSAMENTE OTIMISTA" Washington diz que quer instalar um interceptor de mísseisna Polônia e um sistema de radares na República Tcheca para seproteger dos países que chama de "estados perigosos",especificamente o Irã. A Rússia alega que o plano ameaça a suasegurança. Em declaração, Putin e Bush disseram que iriam"intensificar o diálogo" para chegarem a um acordo. Elesafirmaram que isso poderia envolver Rússia e EUA trabalhandojuntos em um sistema de defesa anti-mísseis, mas outrosdetalhes não foram fornecidos. "Eu quero ser entendido corretamente. Estrategicamente, nãohouve mudança na nossa atitude em relação aos planos dos EUA",afirmou Putin em sua entrevista ao lado de Bush. Ele afirmouque o projeto de incluir a Ucrânia e a Geórgia, dois ex-Estadossoviéticos, na Otan, era "um exemplo da velha lógica na qual aRússia é vista como uma adversária". Os EUA apóiam a entradados países no bloco. (Reportagem adicional de Susan Cornwell em Sochi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.