Bush e Sarkozy encontram posição comum contra o Irã

Os presidentes daFrança e dos Estados Unidos decidiram na quarta-feira manter apressão contra o programa nuclear do Irã, em um sinal dereaproximação dos dois países. "A idéia de o Irã ter uma arma nuclear é perigosa", disseBush, ombro a ombro com Sarkozy, na entrevista coletiva emMount Vermon, propriedade histórica de George Washington,primeiro presidente dos EUA. Sarkozy, que adota contra o Irã uma postura mais dura queseu antecessor, Jacques Chirac, concordou que seria"inaceitável" que Teerã possuísse armas nucleares. Ele afirmouque há "uma necessidade de endurecer as sanções" contra o país. Tentando promover uma terceira rodada de sanções da ONU,Bush vem endurecendo sua retórica contra Teerã, e no mêspassado declarou que pode haver uma Terceira Guerra Mundialcaso a República Islâmica adquira armas nucleares. O Irãinsiste que seu programa nuclear se destina exclusivamente àgeração de eletricidade com fins civis. Depois de um período de distanciamento por causa da guerrado Iraque e da aparentemente antipatia entre Bush e Chirac,Sarkozy fez no Congresso dos EUA um discurso cheio de elogiosaos valores norte-americanos e de demonstrações de apreço porBush. "A América pode contar com a França em sua batalha contra oterror", disse Sarkozy, prometendo apoio no combate àproliferação nuclear no Irã e ao terrorismo no Afeganistão. Bush também se mostra interessado em melhorar as relaçõescom Paris após a aposentadoria de Chirac. Quando do início daguerra do Iraque, diante da oposição da França ao conflito, alanchonete do Congresso dos EUA chamou a atenção por servir"fritas da liberdade" ao invés de "fritas francesas" -- nomedas batatas fritas para os norte-americanos. Sarkozy, 52 anos, considerado o presidente maispró-americano da França em várias décadas, teve na sua primeiravisita oficial a Washington direito a uma recepção normalmentesó reservada ao primeiro-ministro britânico, graças à "relaçãoespecial" entre os dois aliados. Bush prestou homenagem a Sarkozy com uma visita guiada àpropriedade de Mount Vernon, um pouco ao sul da capital. Os dois presidentes apertaram as mãos e sorriram, e Bushdeu tapinhas nas costas do francês antes de eles entrarem namansão com vistas para o rio Potomac, onde conversaram. Mount Vernon foi escolhido para evocar a longa aliançaentre os dois países, que começou na época da Guerra daIndependência Americana, há mais de 200 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.