Bush ignorou dúvidas sobre armas no Iraque, diz Senado

O presidente norte-americano GeorgeW. Bush e os mais importantes membros do governo ignoraram asdúvidas das agências de inteligência sobre os programas dearmamentos de Saddam Hussein, ao tomar a decisão de entrar emguerra contra o Iraque, disse um comitê do Senado dos EstadosUnidos na quinta-feira. Um estudo do Comitê de Inteligência do Senado disse que amaior parte das declarações do governo norte-americano sobre oIraque feitas antes da invasão, em março de 2003, foi de fatobaseada no trabalho da Inteligência. Todavia, eles nãorefletiam o debate que ocorria internamente. O estudo também diz que a Inteligência dos Estados Unidosnão confirma as declarações do governo Bush sobre a parceriaentre o Iraque e a Al Qaeda -- o governo afirmou que o regimede Saddam fornecia treinamento e armas para os militantes. O levantamento do Senado ecoa estudos anteriores, quediziam que a maior justificativa dos Estados Unidos para aguerra -- a existência de armas de destruição em massa noIraque -- estava profundamente incorreta. Muitos relatórios dos serviços de Inteligência queconfirmavam a existência de armas de destruição em massa noIraque acabaram se revelando incorretas. O estudo citou também pelo menos uma declaração do entãosecretário de Defesa, Donald Rumsfeld, que disse que o governoiraquiano produzia tais armamentos no subsolo. O levantamentoindica que essa declaração não tem base em nenhuma informaçãodos serviços de Inteligência. (Reportagem de Randall Mikkelsen)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.