Bush não vai deixar sucessor de mãos atadas no Iraque, dizem EUA

O governo Bush não deixará o próximopresidente dos EUA de mãos atadas com um acordo sobre o futurodas relações do país com o Iraque, e esse tratado não vaiestabelecer números de tropas norte-americanas, disse oDepartamento de Estado na quinta-feira. Parlamentares e pré-candidatos a presidente manifestarampreocupação de que o acordo poderia estabelecer uma presençamilitar norte-americana de longo prazo no Iraque. "Se alguém está preocupado que este acordo de alguma formaate as mãos dos futuros agentes políticos, simplesmente não éverdade," disse o porta-voz do Departamento de Estado, TomCasey, a jornalistas. "É um acordo-marco básico para a normalização da relação",afirmou. "Não é algo que estabeleça níveis das forças, nemmínimos nem máximos, ou determine operações específicas. Essasobviamente são coisas determinadas pelos comandantes militares,e afinal de contas pelo presidente." Quase cinco anos depois do início da ocupação, os EUAmantêm 158 mil militares no Iraque. Casey disse que o acordo seria paralelo a um tratado sobre"status de forças", igual aos que os EUA mantêm com váriospaíses, estabelecendo regras como sobre se um soldadonorte-americano pode ou não ser julgado pelo país anfitrião. As negociações com o Iraque para o tratado ainda nãocomeçaram, mas a meta, anunciada em novembro, é concluí-lo atéo final de julho. O novo presidente dos EUA será eleito emnovembro. (Por Susan Cornwell)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.