Bush pede à Grã-Bretanha que só saia do Iraque após progressos

O presidente dos Estados Unidos, GeorgeW. Bush, pediu que o premiê britânico, Gordon Brown, só retiresuas tropas do Iraque com base nas condições no terreno e nãoem um cronograma arbitrário, segundo uma entrevista de Bushpublicada neste domingo. Bush fez esse comentário antes de iniciar uma visita àGrã-Bretanha, a última parada de sua viagem de despedida daEuropa, já que seu mandato termina em janeiro. Durante o giro europeu, Bush obteve apoio para o aumento dapressão sobre o Irã por causa de seu programa nuclear, masainda se deparou com preocupações sobre a guerra do Iraque. O presidente norte-americano disse em uma entrevista aojornal britânico Observer que os Estados Unidos e aGrã-Bretanha --principal aliado de Washington no Iraque--querem ambos obviamente trazer suas tropas de volta para casa,mas isso só poderia ser feito "com base no sucesso". "Nossa resposta é: não deveria haver nenhum cronogramadefinitivo," disse Bush, acrescentando se sentir "grato" porBrown estar em frequente contato para saber o "que ele (Bush) eseus militares estão pensando". O jornal descreveu Bush como enviando uma advertência aBrown, mas a Casa Branca negou que esse tenha sido o tom,dizendo não haver desentendimentos entre os EUA e aGrã-Bretanha sobre o Iraque. Posteriormente, a Casa Branca divulgou uma transcrição daentrevista como esclarecimento e afirmou que o Irãprovavelmente será um tema de mais destaque nas conversações. "Não há brechas entre os EUA e o Reino Unido sobre aestratégia no Iraque", disse a repórteres o porta-voz da CasaBranca Gordon Johndroe. "Nenhum de nós está buscando cronogramas arbitrários, astropas vão retornar com base nas condições no terreno e vãoretornar como resultado do sucesso." Somente cerca de 4.200 soldados britânicos permanecem noIraque, a maioria deles estacionada em uma base no sul do país.A Grã-Bretanha indicou que poderia retirá-los por volta do fimdeste ano, mas com a situação ainda instável no terreno, issoparece impraticável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.