Bush pede diplomacia, mas afirma que não tolera Irã nuclear

Declaração vem um dia após Teerã afirmar ter plano para retaliar eventual ataque israelense

Agências internacionais,

20 de setembro de 2007 | 13h34

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta quinta-feira, 20, que Washington não tolerará que o Irã obtenha armas nucleares, e ressaltou que é preciso "levar a sério" as ameaças desse país. Na primeira entrevista coletiva em mais de um mês, Bush disse que grande parte do sofrimento dos iranianos é causado pelo próprio governo do país. As declarações vêm um dia depois de o Irã ter declarado que usaria qualquer meio possível para se defender, e que um plano de retaliação já estava preparado no caso de Israel atacar o país primeiro. O presidente afirmou ainda que os Estados Unidos continuarrão sua campanha por meios diplomáticos para evitar a "nuclearização" do Irã. Ele destacou neste sentido a importância da próxima Assembléia da ONU, que começa em Nova York na próxima semana. Bush está otimista de que é possível convencer o Irã a desistir de suas ambições nucleares através de canais diplomáticos. "Tenho consistentemente afirmado que estou esperançoso de que podemos convencer o regime iraniano a desistir de quaisquer ambições que tenha para desenvolver um programa de armas e a fazer isso de forma pacífica", disse Bush. "Vamos manter a pressão sobre eles."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.