Bush permite que americanos enviem celulares a Cuba

Cidadãos poderão mandar telefones a seus familiares na ilha; medida aparece como um desafio às reformas

Reuters e Ansa,

21 de maio de 2008 | 15h31

O presidente americano George W. Bush anunciou nesta quarta-feira, 21, uma diminuição dos embargos a Cuba, ao permitir que americanos enviem telefones celulares a seus familiares na ilha. A medida aparece como um desafio às autoridades comunistas para avançar as reformas.   Veja também: Cuba acusa diplomata dos EUA de financiar dissidentes Cuba lançará novo canal de TV com programação estrangeira   O líder cubano Raúl Castro, que sucedeu no poder seu irmão Fidel em fevereiro, anunciou uma série de medidas econômicas nos últimos meses. Os cubanos já podem comprar computadores, DVDs e telefones celulares. Na prática, porém, poucos na ilha podem pagar pelas novidades.   "Se Raúl for sério em suas auto denominadas reformas, ele irá permitir que esses celulares cheguem ao povo cubano", disse Bush. "Através dessas medidas, os Estados Unidos estão estendendo a mão à Cuba, embora nós saibamos que a vida deles não será mudada fundamentalmente até que a forma de governo mude", acrescentou.   Agora que os cubanos podem adquirir telefones celulares, "seria bom que pudessem também falar livremente em público", avaliou o líder americano.   Washington mantém embargos econômicos a Cuba por várias décadas, e a administração Bush sustentou os bloqueios mesmo com os pedidos dos americanos e estrangeiros para aliviá-los. O país parece indiferente aos prospectos de mudanças com o governo de Raúl Castro.   Oficiais da Casa Branca avaliaram a mudança dos telefones celulares como uma extensão a uma política já existente que permitia aos americanos enviarem presentes aos familiares na ilha.   As mudanças devem ter feito nas próximas semanas, afirmou Dan Fisk, do Conselho Nacional de Segurança. Ele disse que os telefones americanos devem funcionar em Cuba, que está a cerca de 140 quilômetros da costa da Flórida.   Fisk disse aos repórteres que os celulares na ilha custam US$ 120, mais US$ 120 para ativá-los, mas que a remuneração dos cubanos em média é de US$ 12 a US$ 20 por mês.   Em Havana, o governo cubano ainda não comentou o anúncio de Bush.   Presos políticos   O presidente americano também defendeu que o governo de Cuba "liberte todos os prisioneiros políticos" detidos durante o governo do ex-presidente Fidel Castro.   "Vemos chegar o dia em que os cubanos terão a liberdade com a qual sonharam durante séculos", disse Bush na Casa Branca, ao proclamar esta quarta-feira como Dia da Solidariedade a Cuba nos Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
BushRaúl CastroCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.