Bush quer cooperação com Canadá e México, apesar de diferenças

O presidente dos EstadosUnidos, George W. Bush, garantiu na terça-feira aos líderes doCanadá e do México que Washington busca uma aproximação comesses países, apesar de ter desviado suas atenções para asguerras do Iraque e do Afeganistão e de ter diferenças arespeito de imigração e exploração do Ártico. Bush, o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, e opresidente do México, Felipe Calderón, prometeram maiorcooperação econômica e de segurança, mas não esconderamdiscordâncias durante a chamada "Cúpula dos Três Amigos". Com relação ao México, Bush disse estar discutindo umacordo "robusto" de ajuda no combate a drogas, cujos detalhesainda estão sendo resolvidos. Calderón disse a ele que não quera presença de soldados norte-americanos para participar docombate às drogas, como ocorreu em outros países. O México está frustrado com o policiamento cada vez maisrígido na fronteira com os EUA e com o fracasso, no Congressonorte-americano, de uma reforma das leis de imigração. Bushdisse que imigração e fronteira são questões "complicadas". Os três líderes manifestaram confiança nos seus sistemasfinanceiros apesar das recentes turbulências nos mercados dosEUA. "Os fundamentos da economia dos EUA são fortes", disseBush em entrevista coletiva após a cúpula. Calderón abreviou sua visita ao Canadá para acompanhar maisde perto as atividades de emergência devido à passagem dofuracão Dean por seu país. Os protestos no segundo e último dia da cúpula foramdiscretos. Mais de 20 manifestantes remaram de canoa desdeOttawa, pelo rio do mesmo nome, até o sofisticado hotel demadeira onde ocorria a reunião. Entre os remadores estavam as "Raging Grannies", ou "vovósfuriosas", um grupo de ativistas idosas. "Não temos acesso aiates, ao contrário de algumas das pessoas no ChateauMontebello", disse Jessica Squires, porta-voz do grupo. Críticos dizem que a maior parceria econômica entre os trêspaíses da América do Norte abalaria as soberanias nacionais, eque uma cooperação mais estreita no combate ao terrorismo podelevar a abusos contra os direitos humanos. Mas Harper disse ser importante que eles trabalhem juntos,dando o exemplo de uma fábrica de doces que tenha de manterestoques separados por causa de regras para embalagem diferentenos EUA e no Canadá. "Será que a soberania do Canadá vai desabar sepadronizarmos a jujuba? Sabe, acho que não", disse Harper. Harper e Calderón querem ampliar o comércio de seus paísescom os EUA, mas não querem transparecer uma proximidadeexcessiva com Bush, que é impopular tanto no México quanto noCanadá. (Reportagem adicional de Louise Egan e Randall Palmer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.