Bush quer reafirmar aliança dos EUA com Arábia Saudita

O presidente dos Estados Unidos, GeorgeW. Bush, embarca nesta segunda-feira para a Arábia Saudita,para incentivar a potência regional a apoiar o processo de pazentre israelenses e palestinos e a ajudar Washington na pressãocontra o Irã. Depois de visitar Israel, Cisjordânia, Kuweit, Barein eEmirados Árabes Unidos, Bush segue para passar duas noites naArábia Saudita. Antes de voltar a Washington, na quarta-feira,ele fará também uma escala no Egito. Analistas vêem crescentes sinais de aproximação dos aliadosárabes dos EUA com o Irã, como no recente e inédito convite daArábia Saudita para que o presidente iraniano, MahmoudAhmadinejad, participasse do haj -- peregrinação a Meca. O governo Bush minimizou esse fato. "Disseram-nos queAhmadinejad, como faz de vez em quando, se convidou a sipróprio", disse uma importante fonte oficial do governonorte-americano. "Então, se alguém vier pedir, a visão saudita é de que émuito difícil para eles dizer não", disse a fonte. Ao longo de toda a viagem, Bush vem se referindorepetidamente ao Irã como sendo uma ameaça à região e ao mundo.No domingo, em discurso em Abu Dhabi, ele qualificou aRepública Islâmica como "o principal Estado patrocinador doterrorismo no mundo". Nos Emirados, ele discutiu um projeto de energia renovávele em seguida embarcou para Dubai, principal centro comercial efinanceiro do golfo Pérsico, que declarou ponto facultativodevido às restrições no tráfego da cidade para a passagem dopresidente norte-americano. Em Dubai, Bush esteve no hotel Burj Al Arab, construído naforma de navio, sentou-se no pátio da casa do avô do governantexeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum e se reuniu comautoridades e estudantes. "Fiquei muitíssimo impressionado com o que vi aqui. Oespírito empreendedor é forte, e igualmente importante é odesejo de garantir que todos os aspectos da sociedade tenhamesperança." Bush também está pedindo a seus aliados árabes que dêemapoio financeiro e diplomático aos líderes palestinos moderadosenvolvidos no processo de paz. Defende também a ampliação dasrelações dos árabes com Israel. A Arábia Saudita participou da conferência de novembro emAnnapolis (EUA) que marcou a retomada do processo de paz entreárabes e israelenses. Mas Riad não mantém relações diplomáticas com o Estadojudeu. O reino afirma que a "normalização" só poderá ocorrerapós um tratado final de paz que leve Israel a devolver todosos territórios árabes que conquistou na guerra de 1967.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.