Bush vai à Califórnia avaliar catástrofe causada pelos incêndios

Pelo menos duas pessoas morrem; mais de 500 mil estão desabrigados e região enfrenta escassez de recursos

Efe,

24 de outubro de 2007 | 02h20

O presidente de Estados Unidos, George W. Bush, vai visitar na próxima quinta-feira o sul da Califórnia para verificar a destruição causada pelos incêndios. O fogo já arrasou mais de 100 mil hectares, obrigando centenas de milhares de pessoas a deixarem as suas casas.  Veja também:Bush declara estado de emergência por incêndios Chamas ameaçam mansões de famososGovernador pede ajuda de Guarda Nacional Incêndios atrapalham filmagens de seriados de TV Incêndio no México afeta mais de mil pessoas Reportagem da CBC (YouTube)Reportagem da Midwest Television (YouTube) A porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, explicou na terça-feira, 23, que o presidente quer ver pessoalmente a situação e o que está sendo feito para atenuar os efeitos da catástrofe, que já causou duas mortes. Anteriormente, Perino tinha descartado uma viagem de Bush. "A última coisa de que a Califórnia precisa é uma viagem presidencial, que consumirá recursos necessários para outras coisas", havia argumentado. No entanto, a rápida expansão do fogo, que se estende de Los Angeles a San Diego, fez a Casa Branca reconsiderar a decisão. Atualmente, a pior situação é no condado de San Diego. O fogo já provocou a remoção de 513 mil pessoas. Outros seis condados do sul da Califórnia (Los Angeles, Orange, Riverside, San Bernardino, Santa Barbara e Ventura) estão em estado de emergência, conforme o decreto assinado na terça-feria, 23, pelo presidente. O decreto permite ao governo começar a enviar assistência federal à Califórnia. A região já começa a sofrer a escassez de recursos, após três dias de combate ao fogo sem sucesso. Segundo dados oficiais, o fogo consumiu cerca de 1.300 imóveis, mil deles no condado de San Diego. As autoridades pediram que as pessoas que permanecem em suas casas reduzam ao máximo o consumo de eletricidade, para evitar um colapso. Estão ativos 17 focos, três deles iniciados nesta terça-feira. Por enquanto calcula-se que a área queimada chega a 110 mil hectares, uma superfície maior que a da cidade de Nova York. O prefeito de San Diego pediu ajuda urgente para atender aos desabrigados, especialmente roupa, comida e água. O Secretário de Segurança Nacional, Michael Chertoff, e o diretor da Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema), David Paulison, viajaram nesta terça ao sul da Califórnia com uma carga de provisões.

Tudo o que sabemos sobre:
CalifórniaincêndiosEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.