Arquivo/AP
Arquivo/AP

'Caçador' de Bin Laden volta aos EUA depois de 10 dias preso no Paquistão

Gary Faulkner foi preso nas montanhas paquistanesas quando tentava capturar líder da Al-Qaeda

AP,

23 de junho de 2010 | 18h36

DENVER, EUA- Um americano em um missão solo para capturar o terrorista Osama bin Laden foi enviado de volta aos Estados Unidos nesta quarta-feira, 23, dez dias após autoridades terem o encontrado nas florestas do norte do Paquistão com uma pistola, uma espada e um equipamento de visão noturna.

 

Gary Faulkner, que está preso desde 13 de junho, deixou o Paquistão pela manhã e chegará em Denver hoje a noite, de acordo com seu irmão, Scott Faulkner.

 

Segundo Scott, que conversou com seu irmão na terça, Gary estava sendo bem tratado no Paquistão. Pelo excitamento no tom de sua voz, Scott acha que Gary chegou perto de encontrar o líder da Al-Qaeda.

 

Depois de ser encontrado por oficiais paquistaneses - a quem disse que estava em uma missão para matar bin Laden - Gary, de 50 anos, foi transferido para Islamabad, de onde foi libertado hoje sem acusações, segundo seu irmão. "Ele disse que mal podia esperar para voltar para o bom e velho Estados Unidos", disse Scott.

 

Gary Faulkner é um pedreiro aposentado que deixou o cabelo e a barba crescer e vendeu suas ferramentas para financiar seis viagens ao Paquistão, chamadas por seus parentes de "missão Rambo" para matar ou capturar bin Laden.

 

Scott disse à jornalistas na semana passada que seu irmão não é louco, apenas determinado em encontrar o homem que as forças militares americanas falharam em capturar quase uma década após o 11 de setembro.

 

O porta-voz do Departamento de Estado P.J. Crowley disse a repórteres em Washington que a família teria as melhores informações sobre Faulkner, que, segundo dois oficiais, se recusou a assinar um recurso legal para que seu caso fosse discutido publicamente.

 

Falkner deixou o Colorado em 30 de maio. Seu irmão o levou até o aeroporto e não tinha certeza se iria vê-lo de novo, mas ele e outros parentes insistem em que Gary saiu dos EUA desarmado, tinha um visto para entrar no Paquistão e não era culpado de nenhum crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.