Califórnia estuda legalizar maconha para aumentar receita

Apesar de contrário a ideia, Schwarzenegger considerou interessante analisar as experiências de outros países

Efe,

06 de maio de 2009 | 00h41

O governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger assegurou na terça-feira, 5, que o estado deveria estudar a possibilidade de legalizar a maconha como fonte para obter receita pública, informou a imprensa local.

Schwarzenegger, que disse não apoiar pessoalmente a ideia, considerou interessante analisar as experiências de outros países que já regularizaram a venda desta substância.

"Penso que não é tempo para isso (legalização), mas sim para um debate", disse o governador republicano em entrevista.

Desta forma, Schwarzenegger se referiu a uma proposta apresentada no começo do ano pelo parlamentar democrata Tom Ammiano que sugeria legalizar a droga e taxá-la em US$ 50 em impostos para cada 1,5 quilo.

Os sérios problemas fiscais do governo californiano, que acumula uma dívida superior aos US$ 40 bilhões, podem estar por trás desta sugestão, que ajudaria a diminuir a escassez de liquidez ao igualar a maconha com outras substâncias submetidas a impostos altos, como o álcool.

A proposta de Ammiano traria US$ 1 bilhão anuais a mais para os cofres públicos californianos, mas o plano só seria votado para possível aprovação em 2010.

Schwarzenegger disse que não se deve tomar decisões prejudiciais simplesmente para arrecadar mais dinheiro, e lembrou que outros países tinham tido experiências negativas.

Atualmente, a maconha é administrada na Califórnia sob autorização médica.

Tudo o que sabemos sobre:
maconhalegalizaçãoCalifórnia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.