Californiana com câncer muda para Oregon para realizar suicídio assistido

Uma californiana de 29 anos com câncer cerebral terminal se mudou para o Oregon porque o Estado norte-americano permite o suicídio assistido para pacientes terminais, e está dedicando suas últimas semanas de vida a uma campanha para que outros que se veem diante de uma morte iminente possam usufruir do mesmo direito.

REUTERS

08 de outubro de 2014 | 19h57

Um vídeo de seis minutos de Brittany Maynard explicando sua escolha foi publicado no YouTube na segunda-feira e desde então foi visto mais de 2,6 milhões de vezes.

Maynard foi diagnosticada em janeiro com um glioblastoma, um tumor no cérebro, e mais tarde ouviu dos médicos que só teria seis meses de vida.

“Irei morrer no andar de cima, no quarto que divido com meu marido, com ele e minha mãe ao meu lado, e falecer pacificamente com música que eu gosto no fundo”, declarou Maynard no vídeo.

A filmagem mostra imagens do casamento e das caminhadas de Maynard e entrevistas com sua mãe e seu marido.

Maynard planeja tomar um medicamento obtido com receita médica para tirar a vida quando sua dor se tornar insuportável, de acordo com o grupo pró-eutanásia Compassion & Choices (Compaixão e Escolhas), que declarou em um comunicado que ela tem “algumas semanas” de vida.

Desde seu diagnóstico, Maynard se mudou de sua casa em San Francisco para o Oregon, que em 1997 se tornou o primeiro Estado norte-americano a permitir o suicídio assistido para pacientes em estado terminal. Washington, Montana, Vermont e o Novo México seguiram o exemplo desde então e são os outros quatro dos cinco únicos Estados dos EUA que autorizam o procedimento.

Maynard está arrecadando fundos através da Compassion & Choices para defender o suicídio assistido como uma opção para pacientes terminais como ela, um ato que difere das opções mais discretas que muitos outros em sua posição escolhem.

(Por Alex Dobuzinskis)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPACIENTECANCERSUICIDIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.