Calor pode bater recorde nos Estados Unidos

As cidades de Cincinnati, St. Louis, Chicago e Kansas City, no Meio-Oeste norte-americano, podem registrar temperaturas recordes nesta quinta-feira por causa de um enorme sistema de alta pressão que provoca forte calor em quase todo o território dos Estados Unidos.

KEVIN MUR, Reuters

29 de junho de 2012 | 00h03

O tempo seco também contribui para o calor excepcional, segundo Alex Sosnowski, meteorologista-sênior da AccuWeather.com. Ele disse que em St. Louis e Kansas City os termômetros podem se aproximar dos 42 graus Celsius, e que na sexta-feira a frente quente vai se deslocar para o nordeste do país.

"Muitos desses lugares não têm tido muita chuva e o solo seco contribui com o calor", disse Sosnowski. Há temporais isolados previstos para o Meio-Oeste na sexta-feira, mas não devem ser suficientes para alterar as condições, segundo o meteorologista.

A onda de calor contribui para a propagação de incêndios que já destruíram centenas de casas no Colorado. A temperatura elevada e a seca também afetam as lavouras, e o preço do milho já teve alta de 17 por cento neste mês nos Estados Unidos.

Na quarta-feira, pelo quinto dia consecutivo, a localidade agrícola de Hill City, no Kansas, registrou a temperatura mais elevada do país: 46 graus Celsius, segundo o Serviço Meteorológico Nacional. Para quinta-feira, a previsão era de quase 43 graus Celsius.

"Parece que você tem uma fornalha antiga soprando no seu rosto", disse Rayson Brachtenbach, técnico de ar-condicionado em Hill City. Segundo ele, muitos aparelhos da cidade quebraram por não dar conta do calor intenso e prolongado.

O meteorologista Chris Foltz, do Serviço Meteorológico Nacional em Goodland, Kansas, disse que é raro que uma cidade do Meio-Oeste registre a maior temperatura do país durante cinco dias seguidos.

"Isso é o que se espera do deserto de Nevada ou Califórnia", afirmou. "Hill City é onde a alta pressão está ancorada. É como se o calor se perpetuasse."

Em Chicago, as atividades de férias foram suspensas em dez escolas públicas nesta quinta-feira por falta de ar-condicionado. Em Indiana, 74 dos 92 condados proibiram queimadas, e 45 restringiram o uso de rojões.

Em Birmingham, Alabama, a polícia decidiu acompanhar de forma regular idosos e doentes até domingo, para garantir atendimento em caso de problemas de saúde causados pelo calor.

(Reportagem de Mary Wisniewski, Kevin Murphy, Christine Stebbins, Keith Coffman e Susan Guyett)

Mais conteúdo sobre:
EUACALORRECORDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.