Câmara dos EUA aprova retirada de tropas do Iraque

Votação foi de 218 a favor e 203 contra; porta-voz de Bush avisa: 'Ele irá vetar'

Efe,

15 de novembro de 2007 | 03h55

A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira, 14, uma verba de US$ 50 bilhões para a Guerra do Iraque, em um projeto que inclui o começo da retirada militar do país e que o presidente George W. Bush prometeu vetar. A iniciativa, aprovada por 218 votos contra 203, determina o começo do retorno das tropas nos próximos meses. O objetivo é encerrar as atividades de combate no Iraque em dezembro de 2008. Fontes legislativas consideram pouco provável que a medida seja aprovada pelo Senado. Mesmo que passe pela nova votação, o projeto será vetado por Bush. Antes da votação, a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, avisou que o presidente vetará esta versão. Pouco antes, a Casa Branca tinha divulgado uma declaração acusando o projeto de "infringir a autoridade constitucional do presidente como comandante-em-chefe" e ordenar "uma retirada precipitada de tropas". A retirada, acrescentou, "aumentaria a probabilidade de as tropas americanas terem que retornar algum dia ao Iraque para enfrentar um inimigo ainda mais perigoso". Apesar de admitirem que a aprovação foi simbólica, os adversários da guerra, principalmente democratas, afirmaram que desejavam manifestar sua intenção de se opor ao conflito. "O fato é que não podemos sustentar o desdobramento militar no Iraque", disse a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi. A votação aconteceu 24 horas depois de legisladores democratas mostrarem um relatório sobre o crescente custo econômico do conflito para os Estados Unidos. O documento calculou o custo efetivo da Guerra do Iraque em US$ 2,8 trilhões até 2017. Somando as despesas derivadas do conflito do Afeganistão, são US$ 3,5 trilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraqueGuerra do Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.