Câmara dos EUA aprova retirada do Iraque até 2008

Medida foi aprovada horas após a divulgação de relatório sobre estratégia militar americana

Associated Press

12 Julho 2007 | 20h18

Horas após a divulgação de um relatório que aponta apenas progressos pontuais no plano da administração americana para a estabilização do Iraque, a Câmara dos Representantes (deputados) americana aprovou nesta quinta-feira, 12, uma lei que determina uma retirada de tropas até 1º de abril de 2008.Aprovada por 223 a 201, a medida poderá ser vetada pelo presidente americano, George W. Bush, que prometeu impedir qualquer alteração em sua política para o Iraque antes de setembro. Essa é a terceira vez neste ano que uma legislação exigindo uma retirada antecipada é aprovada no Congresso. Nas outras duas ocasiões, Bush usou seu poder de veto para barrar a exigência. "A situação da segurança no Iraque continua complexa e extremamente desafiadora", diz o relatório sobre os avanços da estratégia americana no país árabe divulgado nesta quinta-feira. O cenário econômico é inconsistente, continua o texto, e o governo iraquiano ainda não conseguiu aprovar uma legislação capaz de desencadear a reconciliação política.O documento, tornado público nesta quinta-feira por exigência do Congresso, é parte de um relatório que será divulgado pelo secretário de Defesa, Robert Gates, em setembro. O objetivo é avaliar os progressos obtidos pelo governo iraquiano e pelos militares americanos em uma estratégia proposta pelo presidente George W. Bush em janeiro para a estabilização do Iraque."Eu acredito que seremos bem sucedidos no Iraque e sei que devemos (ser)", disse o presidente em uma coletiva de imprensa concedida após a divulgação do relatório. Aos críticos da guerra - o que inclui um número crescente de legisladores republicanos -, Bush foi direto: "Eu não acho que o Congresso deva administrar a guerra. Eu acho que eles devem financiar as tropas."A oposição, entretanto, vê a questão de outra forma. Algumas horas após as declarações de Bush, a liderança democrata na Câmara aprovou a passagem de uma legislação que determina o início de uma retirada que deve começar nos próximos 120 dias e ser concluída até 1º de abril. A medida prevê a permanência de uma força residual que terá como missão treinar os iraquianos, proteger bases americanas e lutar contra a Al-Qaeda e outros terroristas. "O relatório deixa claro que nem mesmo a Casa Branca pode concluir se Hou progresso significativo", disse a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi. "Nós já esperamos demais", disse ela referindo-se aos pedidos de Bush e de outras lideranças que querem mais tempo para que a política da administração funcione.

Mais conteúdo sobre:
George W. BushIraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.