Campanha de Obama ataca passado de Romney na Bain Capital

A campanha de reeleição do presidente norte-americano, Barack Obama, atacou o passado de Mitt Romney como executivo de private equity nesta segunda-feira, com um vídeo que procura minar o argumento central do republicano sobre por que ele está qualificado para a Casa Branca.

STEVE HOLLAND, REUTERS

14 Maio 2012 | 14h19

O histórico de Romney como um executivo da Bain Capital, uma empresa que comprou e reestruturou companhias algumas vezes resultando em perdas de empregos, foi um tema muito debatido durante a batalha de Romney nas primárias republicanas contra Newt Gingrich, Rick Santorum e uma série de outras alternativas conservadoras.

Os rivais de Romney montaram seu ataque após a Reuters ter publicado uma reportagem especial em janeiro examinando uma usina siderúrgica de Kansas City, Missouri, que foi à falência sob responsabilidade da Bain.

Agora, a campanha de Obama está contando a história da usina da GS Technologies para argumentar que a marca do capitalismo que Romney praticou na Bain beneficiou investidores ricos à custa dos trabalhadores.

A campanha do democrata divulgou um vídeo de seis minutos que contou o desaparecimento da empresa, que foi comprada pela Bain em 1993.

Menos de uma década depois, a empresa foi fechada, e 750 pessoas perderam seus empregos. A Bain lucrou com o negócio, recebendo 12 milhões de dólares em seu investimento inicial de 8 milhões de dólares e pelo menos 4,5 milhões de dólares em honorários de consultoria, de acordo com a reportagem especial da Reuters.

O vídeo de Obama foi destaque em um site que criou, o RomneyEconomics.com.

"Em uma carreira de compra e venda de empresas, o padrão de Romney era a obtenção de lucros rápidos para si e para seus investidores à custa dos trabalhadores e comunidades", afirmou a campanha de Obama em um comunicado divulgando o vídeo. "Às vezes, isso significava o envio de empregos norte-americanos para o exterior. Outras vezes, isso significava cortar salários e benefícios."

Romney tem usado sua experiência na Bain como prova de que ele tem a visão de negócios para restaurar o crescimento robusto da economia dos EUA e diz que as tentativas de Obama para ajudar a economia falharam.

A campanha do republicano acredita que Obama está atacando Romney com a Bain e com uma variedade de outros assuntos para distrair a atenção dos eleitores de seu histórico econômico. O desemprego nos EUA ficou acima de 8 por cento ao longo de mais de três anos do mandato de Obama.

"Nós saudamos a tentativa da campanha de Obama de voltar para a questão do emprego e uma discussão de seu histórico fracassado. Mitt Romney ajudou a criar mais postos de trabalho em sua experiência no setor privado e mais postos de trabalho como governador de Massachusetts do que o presidente Obama criou para toda a nação", disse a porta-voz da campanha de Romney Andrea Saul.

Ela afirmou que Obama tem muitas questões a responder sobre o porquê de sua administração ter usado o dinheiro de um estímulo de 787 bilhões de dólares aprovado no início de seu mandato "para recompensar os doadores ricos da campanha com o dinheiro do contribuinte por ideias ruins", como a Solyndra, uma empresa de painéis solares que foi à falência apesar de receber 535 milhões de dólares em garantias de empréstimo do estímulo.

"Se a administração Obama estivesse menos preocupada em agradar seus doadores ricos e mais preocupada com a criação de empregos, a América seria muito melhor", disse ela.

Mais conteúdo sobre:
EUA OBAMA ACATAROMNEY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.