Canadá pede perdão por abusos a crianças indígenas

O Canadá pediu perdão formalmente naquarta-feira por ter colocado 150 mil crianças indígenas eminternatos, onde muitas acabaram sendo vítimas de abusosfísicos e sexuais -- um dos capítulos mais sombrios da históriado país. O primeiro-ministro Stephen Harper disse a uma comissãoparlamentar, diante de muitos representantes indígenas, que nãohá explicação plausível para o que aconteceu nas escolasreligiosas que funcionaram entre as décadas de 1870 e 1970. "O governo do Canadá se desculpa sinceramente e pede operdão dos povos aborígines deste país por tê-los tãoprofundamente decepcionado. Lamentamos muito", disse Harper numpronunciamento de 15 minutos, em que chegou a ficar com a vozembargada. Líderes indígenas disseram que o discurso pode abrir umanova era de reconciliação entre os canadenses e as populaçõesnativas, que enfrentam discriminações, más condiçõeshabitacionais e desemprego elevado. Os internatos foram criados para educar as criançasindígenas, mas acabaram se tornando parte de uma campanhaoficial para assimilá-las e erradicar sua cultura -- "matar oíndio que existe na criança", como diziam alguns na época. "Não há lugar no Canadá para que jamais voltem a prevaleceras atitudes que inspiraram o sistema de internatos indígenas",disse Harper. Relatos contemporâneos sugerem que até metade das criançasem algumas instituições morriam de tuberculose e outrasdoenças. Muitos sobreviventes dizem ter passado por abusos mentais,físicos e sexuais. As crianças eram agredidas por falarem as suas línguasnativas e recebiam ameaças de danação espiritual se não seconvertessem ao Cristianismo. (Reportagem adicional de Randall Palmer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.