Canadá sofreu pressão dos EUA após o 11/09, diz especialista

Governo norte-americano chegou a cogitar que terroristas haviam entrado no país pela fronteira canadense

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

28 de novembro de 2007 | 20h12

O governo canadense sofreu pressões por parte dos Estados Unidos após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, segundo a professora canadense Margaret E. Beare, do Centro Nathanson, que estuda o crime organizado e a corrupção no País. A afirmação foi feita durante o encontro Crime Organizado e terrorismo - perspectivas nacionais e internacionais.   Estado está morto no País, diz especialista em crime organizado   Segundo ela, o governo norte-americano chegou a cogitar que os terroristas haviam entrado no país a partir da fronteira com o Canadá e, por isso, exigiu que os canadenses tomassem medidas de segurança. "Cada vez mais, as políticas contra o terrorismo são determinadas pelos países mais poderosos", afirmou.   "A velocidade com que as informações são divulgadas faz com que haja uma sensação de insegurança generalizada após ataques terroristas", afirmou Margaret. Segundo ela, esse "risco compartilhado" faz com que países mais fortes, como os Estados Unidos, imponham ações em países vizinhos menores, como é o caso do Canadá.   No entanto, apesar de todas as medidas tomadas após os ataques terroristas contra os Estados Unidos, como as guerras do Afeganistão e do Iraque, "ainda há uma sensação de insegurança em relação a novos atentados", afirmou.   Margaret afirmou que em seu país as organizações criminosas estão diretamente ligadas à lavagem de dinheiro e que, em sua maioria, contam com a ajuda de advogados e burocratas que financiam o crime. Além disso, afirmou que é importante que os países mapeiem de onde vem o dinheiro que financia o crime organizado, pois só assim será possível combatê-lo.

Tudo o que sabemos sobre:
Canadá11 de setembro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.