Caroline Kennedy busca vaga de Hillary no Senado dos EUA

Caroline Kennedy, filha do ex-presidente John Kennedy, quer ocupar a vaga do Senado que será deixada por Hillary Clinton ao assumir o Departamento de Estado, disse na segunda-feira o ativista de direitos civis Al Sharpton. Sharpton disse ter recebido um telefonema de Kennedy em que ela manifestava esse interesse. Caberá ao governador de Nova York, David Paterson, escolher o novo ocupante da vaga a ser deixada por Hillary, indicada para o cargo de secretária de Estado no futuro governo de Barack Obama. "Discordo inequivocamente daqueles que dizem que ela não está qualificada e que não poderia trazer a liderança necessária para este Estado e este país", disse Sharpton em nota. Paterson disse em entrevista coletiva em Albany, a capital do Estado, que não discutirá publicamente a questão. Kennedy, 51 anos, passou parte da infância na Casa Branca, até que o pai fosse assassinado, em 1963. Desde então, manteve uma relativa discrição política, mas apoiou publicamente Obama contra Hillary na disputa interna do Partido Democrata neste ano. Mais tarde, ajudou o candidato a selecionar um companheiro de chapa. Os Kennedys representam uma dinastia política nos EUA. Além de ser filha de um presidente, Caroline é sobrinha de dois senadores - Bob, assassinado quando era candidato a presidente, em 1968, e Ted Kennedy, ainda hoje um dos membros mais importantes do Senado. Paterson já havia declarado que estava "consultando uma ampla variedade de indivíduos" a respeito da indicação, mas que só faria um anúncio quando Hillary efetivar sua renúncia ao Senado - o que deve ocorrer depois que Obama tomar posse, no dia 20 de janeiro, e o próprio Senado a confirmar no cargo de secretária de Estado. (Reportagem de Daniel Trotta e Michelle Nichols)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.