Brendan Hoffman/Efe
Brendan Hoffman/Efe

Casa Branca descarta pedir mais tropas francesas para o Afeganistão

Obama poderá pedir a Sarkozy o envio de mais militares para preencher funções de treinamento, mas não de combate

Associated Press e Efe,

30 de março de 2010 | 17h29

O presidente Barack Obama não pedirá ao presidente francês Nicolas Sarkozy o envio de mais tropas ao Afeganistão, ao menos durante a reunião entre os dois governantes que ocorrerá na Casa Branca nesta terça-feira, 30.

 

Veja também:

linkSarkozy reúne-se hoje com Obama

 

"Não há pedido específico sobre a mesa", disse o porta-voz da casa Branca, Robert Gibbs, em sua coletiva diária de imprensa.

 

A visita do governante francês eleito em 2007 faz parte dos esforços de sua administração para conseguir uma maior aproximação com Washington, depois de vários anos de atritos, em particular por causa da guerra do Iraque.

 

Ao invés de mais tropas, Obama pedirá a Sarkozy mais militares para preencher funções de treinamento, de acordo com dois diplomatas ocidentais que falaram sob anonimato.

 

Soldados franceses estão entre os mortos no Afeganistão neste ano, e as eleições regionais na França demonstraram que os eleitores não apoiam o esforço francês no país.

 

No ano passado, Sarkozy resistiu ao apelo de Obama para enviar tropas adicionais aos 3.750 soldados franceses que se encontram no território afegão. Os Estados Unidos autorizou em dezembro o envio de mais 30.000 soldados ao país para reverter a vantagem do Taleban nas áreas tribais.

 

Mesmo que os dois líderes não concordem sobre a questão afegã, eles estão de acordo em impor mais sanções ao Irã devido as atividades nucleares desse país, além de terem a mesma visão sobre a retomada das negociações de paz no Oriente Médio.

 

Congresso

 

Nicolas Sarkozy, se reuniu com líderes democratas do Congresso dos Estados Unidos, com quem discutiu assuntos relacionados ao Irã, à proliferação de armas e outros temas de segurança.

 

Esta é a primeira visita de Sarkozy ao Capitólio desde 2007, e ocorreu horas antes de seu encontro com o presidente Barack Obama.

 

Sarkozy se reuniu primeiro com o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, John Kerry, e depois com a presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi.

 

Segundo Kerry, o presidente abordou temas como a mudança climática e possíveis sanções contra Teerã.

 

Sarkozy "acredita que temos de apoiar uma posição a favor de sanções muito, muito fortes", afirmou Kerry, que descreveu o presidente francês como "um homem de grande energia e transparência".

 

Sarkozy, por sua vez, disse estar feliz de regressar ao Capitólio e declarou que sua visita aos EUA em 2007 foi "memorável" em sua vida.

 

"Esta visita aos Estados Unidos é muito importante para mim. Nesta tarde com o presidente Obama , discutirei o trabalho conjunto entre França e Estados Unidos", disse o governante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.