Casa Branca diz que está 'feliz' por Nobel da Paz para Al Gore

Prêmio concedido ao ex-vice-presidente pode acirrar a disputa presidencial nos Estados Unidos em 2008

Reuters,

12 de outubro de 2007 | 11h33

A Casa Branca parabenizou nesta sexta-feira, 12, o ex-vice-presidente Al Gore e o comitê de clima da Organização das Nações Unidas (ONU) pelo Nobel da Paz.   Veja também: Al Gore e grupo da ONU ganham Nobel da Paz Conheça os vencedores do Prêmio Nobel 2007   "É evidente que estamos felizes pelo vice-presidente Gore e pelo comitê por receberem esse reconhecimento", disse o porta-voz da Casa Branca Tony Fratto, referindo-se ao Comitê Intergovernamental de Mudança Climática, que compartilhou o prêmio com o ambientalista.   O democrata Al Gore tem sido um crítico aberto às políticas de meio ambiente do presidente norte-americano, George W. Bush, um republicano que venceu Gore na disputa presidencial acirrada de 2000. Desde que deixou o cargo de vice-presidente em 2001, Gore tem feito várias palestras sobre as ameaças do aquecimento global.   Em um encontro promovido pela Casa Branca no último mês, alguns dos maiores emissores de gases que causam efeito estufa disseram que Bush estava "isolado" e questionaram sua liderança sobre o problema de aquecimento global. Bush rejeitou o Protocolo de Kyoto em 1997, um tratado que determina limites para as indústrias na emissão de gases causadores do efeito estufa.   Corrida presidencial   Depois de perder a batalha na Suprema Corte que lhe custou a Casa Branca, Gore, segundo relatos de várias fontes, enfrentou momentos difíceis. Aquela havia sido a disputa presidencial mais acirrada da história dos EUA. O ex-vice-presidente, que perdeu na recontagem dos votos na Flórida na eleição de 2000 para George W. Bush, assiste a um número cada vez maior de ativistas democratas conclamá-lo a concorrer novamente.   O momento em que os EUA mostram-se preocupados com a corrida presidencial mais indefinida dos últimos 50 anos, ex-assessores de Gore, entre as quais Julia Payne, afirmam que ele não fala muito sobre política.   Carter Eskew, um conselheiro de longa data, afirmou conversar com Gore uma vez por semana. "Não acredito que ele vá disputar. Ele disse que não descartou essa possibilidade tecnicamente. Mas posso afirmar que ele não tomou nenhuma medida indicando que participará do pleito."   Kalee Kreider, porta-voz de Gore, deu uma declaração de ares mais definitivos. "Ele não tem a intenção de concorrer para presidente em 2008", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.