Casa Branca instala nova barreira após invasão

Casa Branca instala nova barreira após invasão

A nova barricada, que chega à altura da cintura e interdita parte da calçada do lado da avenida Pensilvânia

IAN SIM, REUTERS

23 de setembro de 2014 | 19h59

Uma segunda cerca foi erguida ao longo de parte do terreno da Casa Branca, afastando turistas e transeuntes, depois que um homem saltou a barreira e entrou no local.

A nova barricada, que chega à altura da cintura e interdita parte da calçada do lado da avenida Pensilvânia que dá acesso à Casa Branca, foi construída no final da segunda-feira ou início desta terça-feira, e fica a cerca de 2,4 metros da cerca comum, encimada por pontas.

A barreira foi erguida depois que o veterano da guerra do Iraque Omar González, de 42 anos, supostamente escalou a cerca de 2,1 metros na sexta-feira, correu pelo gramado da Casa Branca e entrou no edifício através de uma porta aberta.

González levava um canivete e 800 cartuchos de munição no carro, disseram as autoridades. Ele foi dominado por agentes do Serviço Secreto e acusado de entrada ilegal. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e sua família não estavam no local quando o incidente ocorreu.

“Este cercado temporário será usado enquanto o Serviço Secreto conduz uma análise abrangente do incidente na cerca”, declarou o porta-voz da agência, Brian Leary, em um comunicado por e-mail.

O comitê de supervisão da Câmara dos Deputados agendou uma audiência sobre a violação de segurança para 30 de setembro. O Serviço Secreto está encarregado de proteger líderes norte-americanos e chefes de Estado e do governo em visita ao país.

A agência está estudando maneiras de ampliar a zona de segurança ao redor da Casa Branca para manter o público mais distante e aumentar as revistas pessoais.

Mais conteúdo sobre:
EUACASABRANCABARREIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.