Casa Branca perdeu cerca de 1 milhão de e-mails, revela estudo

Comissão teme que correspondência perdida por "sistema primitivo" oculte dados de investigações

Efe,

27 de fevereiro de 2008 | 10h15

O sistema de arquivamento de e-mails da Casa Branca era tão "primitivo" que cerca de um milhão de mensagens foram perdidas em dois anos e meio, segundo um relatório técnico divulgado na terça-feira, 26, no Congresso americano. Steven McDevitt, ex-responsável pelo setor de tecnologia na Casa Branca, disse por escrito a uma comissão da Câmara de Representantes que, em 2005, época em que o documento estava sendo elaborado, o sistema era tão "primitivo" que havia um grande risco de perda de dados. McDevitt comandou o estudo apresentado, o qual diz que e-mails se perderam durante janeiro de 2003 e agosto de 2005. Porém, segundo o especialista, o arquivamento de mensagens pode ter falhado em cerca de mil dias. Nos Estados Unidos, a legislação exige que o governo arquive e conserve suas comunicações eletrônicas. Numa audiência da Comissão de Supervisão e Reforma do governo, a Casa Branca defendeu a forma como cuidou de suas mensagens e assegurou que continua tentando localizar os e-mails perdidos. "Estamos decididos a chegar ao fundo deste assunto", afirmou a porta-voz do escritório de Administração da Casa Branca, Theresa Payton. Entre as mensagens perdidas, encontram-se as do escritório do vice-presidente Dick Cheney trocadas entre 30 de setembro e 6 de outubro de 2003. Nessa época, o Departamento de Justiça abriu uma investigação sobre a vazamento à imprensa do nome de uma agente da CIA. Chegou-se a especular que o sumiço dos e-mails de Cheney poderia estar relacionado a uma tentativa de ocultar o envolvimento de funcionários da Casa Branca nesse caso.

Mais conteúdo sobre:
Casa Brancae-mailtecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.