Caso do 'menino do balão' nos EUA é uma farsa, diz xerife

Pais da criança enfrentarão acusações de pelo menos três crimes; garotos envolvidos não serão indiciados

Reuters

18 de outubro de 2009 | 18h14

O voo de uma balão caseiro de hélio que desencadeou a busca frenética por uma garoto que se acreditava estar a bordo do artefato foi uma farsa publicitária, disse um policial do Colorado neste domingo, 18.

Jim Alderden, xerife do condado de Larimer, disse que os pais de Falcon Heene, de 6 anos, devem enfrentar acusações no incidente bizarro, que eletrizou telespectadores dos Estados Unidos por mais de duas horas na última quinta-feira.

O artefato foi visto no céu na manhã de quinta-feira e Richard e Mayumi Heene afirmaram que seu filho estava a bordo, dando início a uma operação de resgate de grande amplitude com helicópteros da Guarda Costeira dos EUA que seguiram o balão por 80 quilômetros. O garoto, por sua vez, foi encontrado a salvo em casa.

 

"Foi determinado que isso é uma fraude, que foi um golpe publicitário", disse Alderden em uma coletiva de imprensa. "Acreditamos ter provas a esta altura que indicam que foi um golpe publicitário levado a cabo com a esperança de se promoverem melhor para um reality show em algum momento no futuro", disse ele. Alderden disse que os pais provavelmente serão acusados de conspiração, contribuir para a delinquência de um menor de idade, prestar um depoimento policial falso e tentar influenciar um servidor público. 

O xerife disse que os investigadores acreditam que Falcon Heene e seus irmãos, que tem 8 e 10 anos, estão "100% envolvidos" no golpe, mas não devem enfrentar acusações criminais por causa de sua idade.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAbalãoColorado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.