Chances de fechar prisão de Guantánamo são pequenas, diz Gates

Secretário de Defesa afirma que Obama encontra ampla oposição no Congresso americano

Reuters

17 de fevereiro de 2011 | 17h10

WASHINTGTON - O secretário da Defesa dos EUA, Robert Gates, disse nesta quinta-feira, 17, que as chances de fechar a prisão de Guantánamo são "muito, muito pequenas" devido à oposição ampla à proposta no Congresso.

O presidente americano, Barack Obama, ainda não conseguiu cumprir sua promessa de fechar Guantánamo, mas a Casa Branca disse nesta semana que ele ainda pretende fazê-lo. A prisão tem atraído condenação internacional devido ao tratamento dado a seus detentos.

Em depoimento perante o Senado, Gates disse que vê poucas esperanças de um avanço nesse sentido no Congresso, que aprovou uma lei, promulgada por Obama no mês passado, que impede que suspeitos de terrorismo que estão detidos em Guantánamo sejam levados aos EUA para serem julgados no país. "As perspectivas de fechar Guantánamo, segundo consigo prever, são muito, muito pequenas, devido à oposição ampla aqui no Congresso", disse Gates na audiência no Senado.

Acredita-se que Obama esteja nas fases finais de revisão da política americana de detenções. Em discurso feito em maio de 2009, ele disse que existe a necessidade de "detenção prolongada" de alguns suspeitos de terrorismo que não podem ser julgados, mas representam uma ameaça à segurança.

Em Washington, na quarta-feira, o diretor da CIA, Leon Panetta, disse a senadores que, se o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, for capturado algum dia, é provável que seja enviado à prisão de Guantánamo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGuantánamoterrorismosegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.