Chegada do furacão Dean faz Bush liberar ajuda prévia ao Texas

Estados como Louisiana e Mississipi também se preparam para a possível chegada do furacão

Efe,

18 de agosto de 2007 | 19h57

A aproximação do furacão Dean fez com que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, aprovasse neste sábado, 17, uma declaração de emergência prévia ao estado do Texas. Segundo informações da Casa Branca, a declaração de emergência foi solicitada pelo governador do Texas, Rick Perry, e permitirá que o governo federal envie desde já pessoal, equipamento e mantimentos à região, para que o estado esteja preparado caso o furacão chegue a seu litoral. Veja também: Furacão Dean ganha força no Caribe e aproxima-se da Jamaica Furacão Dean encurta missão do ônibus espacial Endeavour Bush aprovou a medida em seu rancho de Crawford, no Texas, onde aproveita alguns dias de descanso. Esta semana, Perry declarou estado de emergência no estado. Desde então, caminhões com mantimentos e outros recursos se deslocam para as rotas de evacuação, enquanto outros veículos com combustível viajaram em direção às comunidades litorâneas. Além disso, as equipes de emergência estão em alerta. Outros estados do Golfo do México, como Louisiana e Mississipi também começaram a se preparar para a possível chegada do furacão, embora os meteorologistas digam que ainda é muito cedo para saber se o Dean atingirá a costa americana. Kathleen Blanco, governadora da Louisiana, declarou estado de emergência na sexta-feira, 17, e exigiu que as autoridades federais se comprometam a enviar recursos à região imediatamente, caso o ciclone passe por seu estado. No Mississipi, o governador Haley Barbour e os responsáveis pela Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema) advertiram as 13 mil famílias que vivem em imóveis provisórios desde que o furacão Katrina arrasou a região, em 2005, que se preparem para ser evacuadas, caso o furacão atinja o Golfo do México. Os meteorologistas acreditam que a atual temporada de furacões, que começou no início de junho e deve durar até o fim de novembro, será "mais ativa" que o habitual. As previsões preocupam as autoridades da região, que ainda não se recuperou da passagem do Katrina, que assolou a região no fim de agosto de 2005. O furacão Dean, que deixou pelo menos três mortos nas ilhas de Santa Lúcia e Dominica, e um na República Dominicana, avança a 30 km/h, com ventos de 240 quilômetros e rajadas de até 295 quilômetros. O olho do furacão tem 18 quilômetros de diâmetro.

Tudo o que sabemos sobre:
DeanfuracãoBush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.