Cheney defende 'sucesso' obtido por interrogatórios da CIA

Vice de Bush pede que inteligência divulgue resultados obtidos pelo uso de técnicas consideradas tortura

BBC Brasil, BBC

21 de abril de 2009 | 07h39

O ex-vice-presidente americano Dick Cheney pediu à CIA - agência central de inteligência dos Estados Unidos - que divulgue memorandos mostrando os resultados obtidos com as polêmicas técnicas de interrogação de suspeitos de terrorismo usadas por seus agentes.

 

Veja também:

linkCIA usou técnica de afogamento 266 vezes contra dois homens

linkMédicos supervisionavam tortura em Guantánamo, diz relatório

linkSaiba mais sobre a base naval de Guantánamo lista

O pedido de Cheney vem poucos dias depois da divulgação, ordenada pelo presidente Barck Obama, de memorandos que relatam o uso de técnicas de tortura - como a simulação de afogamento conhecida como "waterboarding" - por agentes da CIA durante a gestão de Bush.

Para Cheney, a publicação destes documentos foi um erro. Ele também disse que a medida pode levar a conclusões falsas, porque não inclui os memorandos que, segundo ele, provam que informações obtidas através das polêmicas técnicas - duramente criticadas por grupos de defesa de direitos humanos - foram um "sucesso."

"Uma das coisas que acho meio preocupante sobre esta recente revelação é que eles mostram os memorandos legais... mas não mostram os memorandos que mostram os resultados dos esforços", disse o ex-vice-presidente ao canal de TV Fox News. Os americanos deveriam ter a chance de poder avaliar os resultados, disse Cheney.

Moral baixa

Na segunda-feira, o presidente Barack Obama visitou o quartel general da CIA, nos arredores de Washington, em um movimento visto como tentativa de levantar a moral dos funcionários. O presidente reconheceu que os funcionários passaram por alguns dias "difíceis", mas expressou seu total apoio à CIA, afirmando que eles seus agentes ocupam um papel-chave no combate a ameaças de grupos como a Al- Qaeda.

Obama afirmou que não teve outra escolha senão publicar os memorandos com as justificativas legais usadas pelo governo Bush para as técnicas de interrogação - que ele proibiu e considera como tortura.

"Não fiquem desencorajados porque tivemos que reconhecer que, potencialmente, nós cometemos alguns erros". "É assim que aprendemos. Mas é precisamente pelo fato de que estamos dispostos a reconhecê-los e caminhar para a frente que tenho orgulho de ser o presidente dos Estados Unidos e vocês devem ter orgulho de ser membros da CIA", disse ele.

Os documentos, que detalham uma série de técnicas de interrogação autorizadas para uso da CIA durante o governo Bush, foram publicados no dia 16 de abril. Citando um dos memorandos, o jornal New York Times disse que a técnica de simulação de afogamento ("waterboarding") foi usada 266 vezes em dois suspeitos da Al -Qaeda.

Outros métodos mencionados nos documentos incluíam privação de sono por vários dias, nudez forçada e o uso de determinadas posições para causar fadiga muscular. Na quinta-feira, Obama disse que não irá processar agentes da CIA por violações a leis anti-tortura, desde que tenham agido de boa fé.

O presidente, no entanto, foi criticado por organizações de defesa dos direitos humanos e representantes da ONU, que afirmam que o julgamento dos envolvidos é necessário para evitar futuros abusos.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACIAtortura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.