China nega ao Pentágono apoio às sanções contra o Irã

Pequim defende diálogo com Teerã e rechaça apelo do secretário de Defesa americano, Robert Gates

Efe,

06 de novembro de 2007 | 08h42

A China apostou novamente nesta terça-feira, 6, no diálogo frente às sanções para resolver a crise nuclear iraniana durante a visita do secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, que pressionou Pequim para aceitar novas sanções a Teerã, assim como a ministra de Exteriores israelense, Tzipi Livni, tinha tentado na semana passada. "A China acredita que é preciso reforçar a promoção do diálogo e das negociações, por exemplo, entre o Irã e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) ou entre a União Européia e o Irã", disse Liu Jianchao, porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores chinês, em resposta ao pedido de Gates. Segundo Liu, na reunião de segunda do secretário de Defesa americano com o ministro da Defesa chinês, Cao Gangchuan, ficou claro que os dois países acham "que o Irã não deveria ter armas nucleares" e defendem salvaguardar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). No entanto, a China acredita que "o assunto deve ser resolvido pacificamente". "A China está preparada para se coordenar e manter consultas com outros países, com o objetivo de manter a direção para uma solução pacífica", disse o porta-voz. Gates e Cao falaram nesta segunda-feira sobre "a importância de um Irã sem armas nucleares", disse à imprensa o secretário de Defesa americano, que realiza sua primeira visita oficial à China desde que assumiu o cargo, há um ano. Na reunião de 90 minutos, o secretário de Defesa americano defendeu a importância de usar as sanções para "convencer" o governo iraniano a mudar suas atitude e políticas "pacificamente". Os EUA e Israel estão em meio a uma campanha para conseguir apoio internacional ao reforço das sanções diplomáticas e econômicas contra o Irã devido ao programa nuclear iraniano, que, segundo esses países, tem intenções militares. No entanto, as viagens de Gates e Livni à China parecem não ter dado resultados.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.