CIA proíbe simular afogamento de preso interrogado

A CIA proibiu a polêmica técnica deinterrogatório que consiste em simular um afogamento parapersuadir um preso a falar, disse a emissora ABC News nasexta-feira. O canal disse ter apurado junto a ex e atuais funcionáriosda CIA que o diretor da agência, Michael Haydon, proibiu aprática no ano passado, por recomendação de seu adjunto, SteveKappes, e com aval da Casa Branca. Mark Mansfield, porta-voz da CIA, disse que a agência temcomo política não comentar seus métodos de interrogatório,exceto para enfatizar que eles foram e continuam sendo legais. Mas uma fonte do governo afirmou à Reuters, sob anonimato,que "seria errado pressupor que programas do passado sigam parao futuro imutáveis". Em julho, o presidente George W. Bush assinou uma ordempara que os interrogadores da CIA respeitem a Convenção deGenebra contra a tortura -- cinco anos depois de o própriopresidente ter colocado suspeitos da Al Qaeda e do Taliban forado alcance daquela convenção, alegando que se tratavam de"combatentes inimigos", e não de soldados de um Exércitoregular. Muitos grupos de direitos humanos consideram que asimulação de afogamento é uma forma de tortura. Bush, que insiste que não há tortura nos interrogatórios,foi pressionado dentro e fora dos EUA por causa das técnicasusadas contra supostos militantes em prisões da CIA e em outroslocais, inclusive na prisão militar de Guantánamo, encravada emCuba. Em 2006, o vice-presidente Dick Cheney foi criticado pordizer, em reposta a um radialista conservador, que não havia"nem o que pensar" a respeito do uso da simulação de afogamentocaso a técnica possa salvar vidas. Mais tarde, Cheney disse quenão se referia a uma técnica em especial, mas a interrogatórioscomo um todo. Os militares proibiram em setembro de 2006 a simulação deafogamento e sete outras técnicas consideradas abusivas, como anudez forçada, o uso de capuzes, a simulação de execução. Osinterrogatórios da CIA são guiados por outro conjunto deregras. (Por Doug Palmer e Randall Mikkelsen)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.