Colômbia vai devolver adolescente texana deportada por engano

Autoridades colombianas pretendem entregar na sexta-feira aos EUA uma texana de 15 anos, grávida, que foi deportada há nove meses para o país sul-americano numa bizarra confusão.

REUTERS

06 de janeiro de 2012 | 20h02

Jakadrien Turner foi mandada em maio para a Colômbia depois de mentir sobre seu nome e idade, ao ser detida por furtar uma loja em Houston. Ela nunca havia estado na Colômbia, e não falava espanhol.

A chancelaria colombiana disse que autoridades dos EUA apresentaram documentos provando que Turner é cidadã norte-americana. Em nota, a chancelaria disse que ela será entregue na sexta-feira a autoridades consulares dos EUA, para "ser devolvida a ser país de origem".

Mas isso não deve encerrar o caso, já que a avó da menina, Lorene Turner, exige explicações. "Não entendo como isso pôde acontecer. Alguém fez uma trapalhada", afirmou.

Segundo a polícia de Houston, Jakadrien Tuner, então com 14 anos, fugiu da sua casa, em Dallas, e foi detida em abril por causa de um furto de pequena monta.

"A moça disse aos oficiais que a detiveram que ela era nativa da Colômbia, e que seu nome era Tika Lanay Cortez, nascida em 24 de março de 1990", disse Charles McClelland Jr, chefe da polícia de Houston, na sexta-feira.

Segundo ele, os funcionários carcerários seguiram o procedimento habitual, ao colherem, as impressões digitais de uma presa que eles achavam ser uma estrangeira adulta, e compararem os resultados com um banco de dados federal que serve para deportar estrangeiros que cometem crimes.

O banco de dados mostrou que não havia antecedentes criminais, mandado de prisão ou uma identificação alternativa para a suspeita. Mas, a essa altura, as autoridades estavam convencidas de que se tratava mesmo de uma criminosa colombiana de 21 anos, e o procedimento de deportação começou.

Dois meses depois, a menina se viu na Colômbia, onde recebeu um passaporte local com base em informações fornecidas por autoridades norte-americanas.

A chancelaria colombiana disse que a menina foi encaminhada para um programa para colombianos repatriados, em Bogotá.

Lorene Turner disse que a família, em colaboração com a polícia e com a deputada Eddie Bernice Johnson, localizou a menina no final do ano passado, principalmente graças a uma página do Facebook criada por ela. A chancelaria colombiana disse que então entrou em contato com a embaixada dos EUA.

O governo da Colômbia também está investigando como emitiu um passaporte do país para uma cidadã norte-americana, com base no que a chancelaria afirmou serem declarações "imprecisas e irreais".

Lorene Turner disse não estar satisfeita. "Tem de haver adultos envolvidos", afirmou. "Nenhuma menina de 14 anos muda de nome e vai parar na Colômbia."

Ela disse que sua neta agora está grávida.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Tudo o que sabemos sobre:
EUATEXANADEPORTADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.