Comandante americano no Iraque defende diplomacia com Irã

General David Petraeus diz que EUA devem combinar 'diplomacia e pressão econômica' no diálogo com Teerã

Efe,

22 de maio de 2008 | 11h25

O general David Petraeus, chefe do Comando Central dos Estados Unidos, é a favor de uma combinação de diplomacia e pressão econômica nas conversas com o Irã, informou nesta quinta-feira, 22, o jornal The Washington Post. Petraeus, atual chefe militar dos EUA no Iraque, comparece nesta quinta à Comissão de Forças Armadas do Senado em uma audiência para sua confirmação como futuro comandante da região militar americana que cobre desde o leste da África ao sul da Ásia.   Veja também: EUA desmentem garantia de segurança ao Irã por suspensão nuclear McCain critica Obama por querer conversar com Irã   A posição de Petraeus se soma ao debate eleitoral nos EUA, onde o senador Barack Obama, que lidera a corrida pela candidatura presidencial democrata, propôs um diálogo de Washington com Teerã, como prévia incondicional.   O virtual candidato presidencial republicano, John McCain, e a senadora Hillary Clinton, a outra pré-candidata democrata à Casa Branca, chamaram a proposta de Obama de ingênua.   "Os EUA deveriam fazer todos os esforços possíveis para se relacionar com o Irã através do uso de todas as áreas do Governo mais do que simplesmente atender a ameaças parciais", afirmou Petraeus em respostas escritas a perguntas da comissão parlamentar, segundo o Washington Post.   Se o Senado confirmar sua nomeação, Petraeus substituirá o almirante William Fallon, que renunciou meses atrás após questionar o enfoque especialmente militar da Administração do presidente americano, George W. Bush, ao conflito no Afeganistão e sua atenção à região como um todo.   As opiniões de Petraeus, contidas em uma declaração de 46 páginas que o Washington Post teve acesso com antecedência, coincidem com as do secretário de Defesa americano, Robert Gates, que disse este mês que as conversas com o Irã poderiam ser úteis se acontecerem em combinação adequada de incentivos e pressões.   A Administração Bush tem liderado há anos um esforço internacional com sanções econômicas e advertências militares para que o Irã suspenda seu programa de enriquecimento de urânio.   Na audiência, Petraeus irá acompanhado do comandante-geral do Exército, Raymond Odierno, que foi indicado como sucessor de Petraeus no comando das forças americanas no Iraque.  

Tudo o que sabemos sobre:
IrãIraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.