Comandante dos EUA para Iraque e Afeganistão deixa cargo

O almirante William Fallon,principal comandante dos Estados Unidos para o Iraque e oAfeganistão, anunciou sua aposentadoria na terça-feira e disseque são falsas as informações sobre grandes diferenças entreele e o governo Bush sobre o Irã. A decisão dele se seguiu a uma reportagem publicada nasemana passada pela revista Esquire --que qualificou Fallon de"o homem entre a guerra e a paz"-- e afirmou que ele resistia àpolítica do governo de adotar ações mais duras contra o Irã. Fallon chefia o Comando Central dos EUA em Tampa, naFlórida, quartel-general que supervisiona as operaçõesnorte-americanas no Oriente Médio, incluindo as guerras noIraque e no Afeganistão. Ele está no posto há menos de um ano. Ao anunciar a decisão de Fallon, o secretárionorte-americano da Defesa, Robert Gates, desconsiderou aconclusão da Esquire de que se Fallon deixasse o posto umaguerra com o Irã seria mais provável. "Eu aprovei, com relutância e pesar, o pedido do almiranteFallon para se aposentar", disse Gates a repórteres noDepartamento de Defesa (Pentágono). "O almirante Fallon tomou inteiramente por conta própriaesta difícil decisão", disse Gates. "Acho que foi a coisa certaa fazer, mesmo que eu não acredite que haja, de fato,diferenças significativas entre seus pontos de vista e apolítica do governo." O artigo da Esquire descreveu a posição de Fallon como decontestação à Casa Branca e um pedido ao comedimento em relaçãoao Irã. Fallon cooperou com o autor do artigo, mas criticoufortemente a reportagem depois que ela foi publicada,descrevendo-a como "venenosa". "A atual situação embaraçosa e a percepção do público dediferenças entre meus pontos de vista e a política do governo,e os problemas que isso causa para a missão torna isto (a saídado cargo) a coisa certa a fazer", disse Fallon em uma carta derenúncia, segundo Gates. Mas Gates disse que a percepção de que Fallon estava sedesentendendo com o governo não é vinculada apenas ao artigo. "Nós tentamos, entre nós, deixar para trás essa percepçãoerrada, mas, francamente, não fomos bem-sucedidos", afirmou osecretário. O governo Bush diz que sua política é de uso da diplomaciapara resolver suas diferenças com o Irã, especialmente sobre oprograma nuclear iraniano, mas afirma que não excluirá asopções militares." Os EUA e outras nações ocidentais dizem que o Irã estátentando desenvolver a capacidade de construir armas nucleares.O governo iraniano diz que seu programa visa apenas à produçãode energia. Fallon se aposentará no fim do mês. Seu vice, generalMartin Dempsey, assumirá o comando até que um sucessor sejaescolhido, disse Gates.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.