Começa em Boston longo adeus a Ted Kennedy

Há a expectativa de que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, faça um discurso de homenagem

Efe e Reuters,

27 de agosto de 2009 | 19h09

Foto: Reuters    

 

WASHINGTON - O caixão com os restos mortais do senador americano Edward Kennedy foi transferido nesta quinta-feira, 27, da cidade de Hyannis Port, no estado americano de Massachusetts, para Boston, em um percurso no qual centenas de pessoas prestaram suas homenagens.

 

Veja também:

lista Perfil: Câncer põe fim a trajetória do 'último Kennedy'

especialEspecial: Conheça os membros da Dinastia Kennedy

mais imagens Fotos: Veja  imagens de Ted Kennedy

video Vídeo: Assista no YouTube discurso na convenção democrata em 2008

especial Especial: Cronologia da vida do senador

lista Quatro momentos na vida de Ted Kennedy

 

A viagem final do "leão do Senado" dos Estados Unidos, defensor de causas como a reforma migratória e a cobertura universal de saúde, começou ao redor das 15h (horário de Brasília), uma hora depois do previsto, em sua residência de Hyannis Port.

 

No complexo residencial dos Kennedy, se reuniram os membros do extenso clã que se despediram do senador em um funeral privado celebrado em um cômodo com vista para o mar usado tradicionalmente para cerimônias religiosas - de origem irlandesa, os Kennedy são profundamente católicos.

 

Uma guarda de honra, integrada por membros de todos os ramos das Forças Armadas, carregou o caixão coberto com a bandeira americana até o carro funerário que levou o corpo do senador, que faleceu na noite de terça-feira aos 77 anos em decorrência de um câncer cerebral.

 

Liderados pela viúva do senador, Vicki Kennedy, de luto rigoroso, os familiares contemplaram o transporte do caixão em silêncio. Sua sobrinha Caroline Kennedy, filha do presidente assassinado John Kennedy (1961-1963), e sua irmã Jean Kennedy Smith, agora a única sobrevivente de nove irmãos, também estavam entre os muitos presentes.

 

Foto: Reuters

 

Em seguida, a comitiva fúnebre, formada por limusines pretas, iniciou uma viagem de pouco mais de 100 quilômetros até Boston. Centenas de pessoas foram até as pontes ao longo do trajeto para ver a caravana passar.

 

A comitiva passou pelo número 122 da rua Bowdoin, endereço do primeiro escritório de Edward Kennedy quando trabalhava como assistente do procurador de Boston. Lá também viveu seu irmão John, quando preparava sua campanha para o Congresso em 1946.

 

A procissão fúnebre também passou pela igreja St. Stevens, onde foi batizada a mãe do senador e onde se celebrou seu funeral, assim como pela sede do Governo estadual, situado no histórico edifício de Faneuil Hall. Os sinos do edifício badalaram 47 vezes, uma por cada ano que Ted Kennedy passou no Senado.

 

Milhares de pessoas esperaram horas ao sol nas imediações do Faneuil Hall e explodiram em aplausos durante a passagem da comitiva, um sinal de gratidão ao homem que representou ao estado de Massachusetts durante quase cinco décadas.

 

Foto: Reuters

 

Entre elas estavam jovens como Lynnete Díaz, que disse à rede de televisão CBS que queria fazer parte de "um momento histórico" e mostrar seu respeito a um político que lutou "pela igualdade".

 

O caixão com o corpo de Ted Kennedy será velado hoje e nesta sexta-feira na biblioteca John Fitzgerald Kennedy, em evento aberto ao público. Amanhã à noite, haverá uma cerimônia religiosa privada que deve contar com a presença de senadores democratas e republicanos.

 

No sábado de manhã, está programado um funeral na basílica Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Boston, local que o senador visitava diariamente quando sua filha Kara lutava contra um câncer de pulmão que conseguiu superar. Para Kennedy, o templo se transformou em um símbolo de esperança e otimismo.

 

Foto: Reuters

 

Há a expectativa de que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, faça um discurso de homenagem durante a cerimônia religiosa. Os quatro ex-presidentes americanos ainda vivos, Jimmy Carter, George Bush, Bill Clinton e George W. Bush, devem participar do ato.

 

Enquanto Boston preparava mais três dias de homenagens ao patriarca de uma das mais famosas dinastias políticas norte-americanas, autoridades discutiam a questão de quanto tempo será preciso para encontrar um substituto para o senador mais antigo do Estado, que sofria de câncer cerebral.

 

O governador Deval Patrick disse ao Boston Globe que quer honrar o desejo de Kennedy de modificar as leis estaduais para permitir que seja nomeado um senador interino durante o período de cerca de cinco meses necessário para organizar uma eleição.

 

Patrick e outros legisladores democratas, incluindo o senador do Massachusetts John Kerry, disseram que rápido preenchimento da vaga de Kennedy será de importância vital no momento em que o Congresso trabalha sobre a reforma do sistema de saúde americano.

 

Ao longo de seus 47 anos no Senado, Kennedy defendeu a reforma do sistema de saúde, algo que se tornou uma das iniciativas mais importantes do presidente Barack Obama. A morte de Kennedy deixa os democratas com um voto a menos do que necessário para terem a maioria de 60 parlamentares de que precisam para derrotar qualquer tentativa de obstrução republicana contra a reforma.

 

No sábado o corpo será levado de avião até o Cemitério Nacional de Arlington, nos arredores de Washington, para ser sepultado ao lado dos túmulos dos irmãos do senador, John e Robert Kennedy.

Tudo o que sabemos sobre:
Ted Kennedy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.