Comissão nos EUA deve investigar destruição de fitas da CIA

Câmara discute a convocação de dois altos funcionários para depor sobre a eliminação dos interrogatórios

Agências internacionais,

20 de dezembro de 2007 | 09h40

Uma comissão do Congresso norte-americano pretende começar a investigar na semana que vem os documentos da CIA relativos à destruição de fitas de vídeo mostrando técnicas rudes de interrogatórios, disse um assessor parlamentar na quarta-feira, 19.Poucos dias depois de o Departamento de Justiça pedir ao Congresso que adie a investigação, o que provocou críticas de ambos os partidos, a investigação parlamentar ganhou ritmo e passou a ser defendida pela Casa Branca. A Comissão de Inteligência da Câmara está trabalhando com a CIA para analisar os documentos que solicitou e também discute a convocação no próximo dia 16 de dois importantes funcionários para deporem sobre as fitas, segundo o assessor parlamentar, que pediu anonimato. Os funcionários intimados são José Rodríguez, ex-diretor de operações secretas da CIA, e John Rizzo, principal advogado da agência, sempre de acordo com o assessor parlamentar. A CIA admitiu neste mês ter destruído, em 2005, centenas de horas de gravações que mostravam dois supostos militantes da Al-Qaeda sendo interrogados, possivelmente com técnicas violentas, como a simulação de afogamento, condenada internacionalmente como uma forma de tortura. A notícia da destruição das fitas provocou indignação de parlamentares democratas e de ativistas de direitos humanos. A CIA disse que vai cooperar com a eventual investigação do Congresso. "Como o dr. Hayden [general Michael Hayden, diretor da agência] já declarou no passado, pretendemos cooperar plenamente com as comissões", disse um porta-voz da CIA. O Departamento de Justiça informou na semana passada à comissão que seria "problemático" que a CIA cooperasse na investigação, o que levou os parlamentares democratas a suspeitarem de acobertamento. Na noite de quarta-feira, o Departamento de Justiça divulgou nota dizendo não haver "nenhum desejo de bloquear qualquer investigação parlamentar" e prometendo cooperação com o Congresso, mas ressalvando que há um inquérito paralelo sendo realizado em conjunto pela CIA e pelo Departamento.  Advogados envolvidos segundo a BBC, a Casa Branca manifestou irritação nesta quarta-feira com uma reportagem do jornal The New York Times que sugere que o governo americano escondeu informações sobre a destruição de fitas de interrogatórios feitos pela agência de inteligência CIA. "Nós vamos continuar nos negando a comentar esse assunto e reportagens enganosas da imprensa", disse a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino. "A sugestão do New York Times de que existe um esforço (do governo) para enganar nesta questão é perniciosa e perturbadora."  A destruição das fitas da CIA está sendo investigada por três inquéritos diferentes, no Departamento de Justiça, no Congresso e na própria agência. Segundo reportagem do jornal, quatro advogados do governo – incluindo Alberto Gonzales, ex-secretário de Justiça, e a ex-conselheira Harriet Miers – discutiram o futuro das fitas. De acordo com o New York Times, os outros dois advogados seriam David Addington, do gabinete do vice-presidente Dick Cheney, e John Bellinger.  A porta-voz da Casa Branca afirmou que o governo está buscando, por meios formais, uma correção do texto logo abaixo do título da reportagem que diz: "Papel da Casa Branca foi maior do que ela alegou".

Tudo o que sabemos sobre:
EUACIAinterrogatórios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.