Congressistas fecham acordo sobre plano de resgate financeiro

Projeto prevê o uso de US$ 700 bilhões para comprar ativos da dívida vinculada ao mercado hipotecário

Das agências internacionais

28 de setembro de 2008 | 04h03

Líderes republicanos e democratas dos EUA disseram ter chegado neste domingo a um acordo sobre as linhas gerais de um plano de resgate financeiro, embora não tenham anunciado um pacto final até tê-lo por escrito. "Nós fizemos um grande progresso. Entretanto, temos que colocar tudo por escrito para alcançar um acordo formalmente", disse o líder da Câmara Baixa, Nancy Pelosi, ao término de uma reunião no Congresso. Ela disse que a Câmara Baixa poderia votar o projeto de lei neste domingo e o Senado na segunda-feira. O secretário do Tesouro, Henry Paulson, disse sobre o acordo: "Acho que o alcançamos". Harry Reid, líder da maioria democrata do Senado, afirmou que as negociações foram "extremamente difíceis", em declarações enquanto estava rodeado de outros dos principais negociadores democratas. O programa de resgate, proposto na semana passada pelo Governo, prevê o uso de US$ 700 bilhões para comprar a dívida de má qualidade vinculada ao mercado hipotecário. Com isso pretende desbloquear o fluxo de crédito, que atualmente está paralisado pela presença desses ativos "tóxicos" nos balanços das instituições financeiras. Um comitê de legisladores democratas e republicanos já anunciou um princípio de acordo sobre o programa na quinta-feira, mas esse pacto foi quebrado quando muitos republicanos da Câmara Baixa se revoltaram para protestar contra uma intervenção pública de tal magnitude. Antes de entrar na reunião de domingo, esse grupo de republicanos insistiu em que em lugar de comprar os títulos, o Governo deveria coordenar um fundo com dinheiro privado que ofereça garantias de pagamento dos títulos de má qualidade. Os democratas se mostraram dispostos a incorporar essa idéia ao programa final, embora só como uma das opções à disposição do departamento do Tesouro e não como uma alternativa ao plano original. Nem Pelosi nem Reid deram detalhes de como foi resolvida essa disputa nas negociações. Está previsto que a Câmara Baixa retome suas sessões às 14 horas deste domingo, quando poderia ser votado o projeto de lei, enquanto o Senado não tem previstas atividades no domingo e não abrirá suas portas até segunda-feira. Os líderes democratas tinham insistido em que seu objetivo era alcançar um acordo no domingo antes da abertura das bolsas asiáticas.

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEEUAPLANO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.