Congresso dos EUA aprova lei para trabalhadores do 11/9

Pacote irá financiar serviços médicos para corpo de resgate que atuou no atentado ao WTC

New York Times

23 de dezembro de 2010 | 03h45

Depois de anos de intenso lobby e debates, o Congresso norte-americano aprovou uma lei nesta quarta-feira, 23, para cobrir o custo com serviços médicos para trabalhadores de resgate e outros que ficaram doentes pela fumaça tóxica e poeira depois do ataque do World Trade Center em 2001.

 

As medidas de saúde irão direcionar US$ 1,8 bilhão nos próximos cinco anos para tratar prejuízos decorrentes da exposição a agentes tóxicos e detritos no marco zero; a cidade de Nova York irá pagar 10% dos custos.

 

Após a votação do Senado, com placar de 206 a 60, o pacote de emergência para os trabalhadores e famílias do 11/9 foi celebrado no Capitólio. Senadores democratas de Nova York e Nova Jersey entoaram e repetiram o grito 'U.S.A.! U.S.A.!'.

 

Os votos vieram depois de prolongados e agressivos lobbies dos oficiais de Nova York, advogados, polícia, grupos de bombeiros e famílias do 11 de setembro, que argumentaram que a nação tem a obrigação moral de prover assistência médica para os trabalhadores que permaneceram dias, semanas e alguns meses envolvidos na tragédia.

 

Existem perto de 60 mil pessoas envolvidas no monitoramento e programas de tratamentos relacionados ao ataque de 11 de setembro. O governo federal atualmente financia a maior parte desses programas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.