Congresso dos EUA autoriza escutas sem autorização judicial

George W. Bush descreveu essa autorização como essencial para proteger o país.

EFE ,

05 de agosto de 2007 | 01h25

A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou neste sábado, 4, um projeto de lei que dá poder às agências de espionagem do país para realizar escutas sem autorização judicial por seis meses, depois do sinal verde, na última sexta-feira, do Senado americano. Câmara ratificou a proposta por 227 votos a favor e 183 contra, o que representa uma vitória do presidente George W. Bush, que descreveu essa autorização como essencial para proteger o país. O Senado aprovou a medida por 60 votos a favor e 28 contra. Com isso, Bush conseguiu fazer com que o Congresso, apesar de estar controlado pelos democratas, legalize por seis meses um dos programas mais polêmicos de sua Presidência. Transcorrido esse período, os legisladores devem voltar a analisar suas cláusulas principais. O projeto de lei, que entrará em vigor com a assinatura do governante americano, permite escutas de ligações telefônicas, assim como a interceptação de e-mails, de pessoas nos Estados Unidos que se comunicam com indivíduos no exterior.

Tudo o que sabemos sobre:
George W. Bush, EUA, escutas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.