Corte dos EUA arquiva processo por suicídios em Guantánamo

Um juiz dos Estados Unidos arquivou um processo movido por familiares que pediam indenização do governo pela morte de dois detentos na prisão militar de Guantánamo, encravada em Cuba.

REUTERS

17 de fevereiro de 2010 | 18h36

Um saudita e um iemenita foram encontrados mortos em junho de 2006, aparentemente por suicídio. Parentes deles moveram uma ação acusando as autoridades de submeter os presos a torturas e abusos.

Militares dos EUA acusavam o saudita Yasser al-Zahrani de ter ido ao Afeganistão para lutar ao lado do Taliban. Al Zahrani, cozinheiro, sempre negou a acusação, segundo os militares.

Já o iemenita Salah Ali Abdullah Ahmed Al-Salami era acusado de ligação com a Al Qaeda, e foi preso em um esconderijo, em 2002, onde foi achado um laptop com informações sobre a produção de armas radiativas. Ele negava ter conhecimento de qualquer ataque realizado ou planejado contra os EUA.

Na época em que eles morreram, os familiares negaram que tivesse havido suicídio, já que isso contraria os preceitos islâmicos. Mas uma investigação militar de 2008 concluiu que ambos se enforcaram.

Os parentes pleiteavam indenizações não especificadas, no processo que corria na Justiça federal em Washington, O governo Obama alegava que o tribunal não tinha jurisdição sobre a prisão de Guantánamo para acusações desse tipo.

(Reportagem de Jeremy Pelofsky)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGTNAMOSUICIDIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.