Crianças retornam ao rancho de seita poligâmica no Texas

Cerca de 397 dos 430 menores sob guarda da Justiça voltam a viver no local com os pais após decisão da Justiça

Agência Estado e Associated Press,

04 de junho de 2008 | 12h07

Apenas uma pequena parte das crianças tiradas de um rancho mantido por uma seita poligâmica permaneciam em creches nesta quarta-feira, 4. Após uma decisão judicial, a maioria dos pais retirou os menores desses abrigos. Na terça-feira, 397 das 430 crianças já tinham voltado a viver com os pais.   Veja também: Falsos profetas    Algumas famílias voltaram para o rancho na terça-feira. Exatamente dois meses antes, assistentes sociais e policiais chegaram ao local após uma denúncia de abusos contra as crianças "Claro que estamos felizes por voltar para casa", disse Zavenda Young, com a filha de 3 anos abraçada a ela, enquanto seus outros três filhos, com idades entre 5 e 9 anos, estavam por perto. "Eles mal podem acreditar, claro. Mesmo (eu) tendo dirigido a noite toda, eles pouco dormiram."   Willie Jessop, um alto membro da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (FLDS, na sigla em inglês), não sabia quantas pessoas voltariam ao rancho. Muitas famílias ficaram assustadas após a entrada da polícia no local. Houve denúncias de que no rancho eram realizados matrimônios de garotas menores de idade.   A Suprema Corte do Texas decidiu na semana passada que o Estado ultrapassou suas jurisdições ao manter sob sua custódia todas as crianças do rancho. A suspeita de abuso sexual envolvia apenas algumas jovens. O xerife David Doran defendeu a atuação policial. "Havia crimes sendo encobertos. Havia vítimas na propriedade", afirmou. Doran espera que alguns membros da seita sejam processados.   Por determinação da juíza Barbara Walther, as famílias não podiam deixar o Texas. Além disso, os pais devem freqüentar aulas sobre como criar os filhos e haverá visitas não programadas de assistentes sociais às crianças, como parte da investigação sobre abusos.   Não houve um pedido da magistrada para que a seita renuncie à poligamia. Jessop afirmou na segunda-feira que a FLDS não confirmaria casamentos entre menores de idade. Ainda segundo esse líder, todos os casamentos realizados foram consensuais.   A seita, que tem cerca de 10 mil seguidores e domina as cidades de Colorado City, no Arizona, e Hildale, em Utah, é uma dissidência da igreja Mormon. O proprietário do rancho onde as crianças foram encontradas, na cidade de San Antonio, é o líder da FLDS, Warren Jeffs, que foi preso em novembro por 10 anos por cumplicidade em um estupro. Jeffs foi condenado após ter forçado uma adolescente de 14 anos a se casar com um primo. O líder religioso, que se proclama profeta, aguarda outros julgamentos no Arizona, em que é acusado de ser cúmplice em quatro casos de incesto e conduta sexual com uma menor de idade, fruto de dois casamentos arranjados.

Mais conteúdo sobre:
EUApoligamia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.