Debate esquenta briga entre Obama e Hillary por candidatura

Pré-candidatos democratas divergem sobre possibilidade de encontros com líderes de países inimigos dos EUA

AP e EFE,

24 Julho 2007 | 20h15

A disputa entre os dois principais pré-candidatos democratas à presidência dos EUA, Hillary Clinton e Barack Obama, esquentou nesta terça-feira, 24, depois de declarações feitas no debate realizado na segunda-feira, 23, pela rede de TV CNN.   Assista 1ª parte do debate 2ª parte do debate 3ª parte do debate 4ª parte do debate 5ª parte do debate Em seu quarto debate, oito pré-candidatos democratas à Casa Branca responderam a perguntas de internautas. Durante a discussão, a primeira grande divergência entre os dois democratas surgiu quando perguntaram a Obama se ele estaria disposto a se encontrar sem condições prévias, no primeiro ano de seu governo, com líderes de países considerados "vilões" - como Irã, Síria, Venezuela, Cuba e Coréia do Norte. "Estaria disposto, sim", afirmou Obama.   Hillary, no entanto, disse que não tomaria tal atitude. "Não quero ser usada para fins de propaganda", afirmou Hillary - cuja equipe de campanha usou o vídeo de sua resposta para mostrar que a senadora tem um entendimento de política externa diferente de seu principal oponente.   "Eu acho que a afirmação de Obama foi irresponsável e ingênua", disse Hillary nesta terça, em entrevista a um jornal, dando continuidade à polêmica.   A ex-secretária de Estado americana Madeline Albright, que apóia Hillary, também criticou Obama nesta terça-feira, dizendo que esse tipo de encontro não deveria ser feito sem trabalho diplomático prévio.   A equipe de campanha de Obama respondeu rápido às críticas de Hillary e divulgou um memorando onde afirmava que a senadora havia mudado de opinião sobre o assunto. "Em abril, a senhora Clinton disse: 'creio ser um erro terrível o presidente Bush afirmar que não vai conversar com inimigos dos EUA'."   O consultor de política externa de Obama, Anthony Lake, saiu em defesa do pré-candidato. "Uma nação grandiosa e seu presidente nunca devem temer iniciar negociações com ninguém e o senador Obama disse corretamente que estaria disposto a fazê-lo - assim como Richard Nixon fez com a China e Ronald Reagan fez com a União Soviética", afirmou Lake, que trabalhou como conselheiro de segurança nacional durante o primeiro mandato do presidente Bill Clinton.

Mais conteúdo sobre:
EUA Barack Obama Hillary Clinton eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.