Deixando a Casa Branca, Bush defende seu legado em segurança

Presidente diz que 'nunca saberemos quantas vidas se salvaram' após campanha global anti terror de seu governo

Efe,

17 de dezembro de 2008 | 21h36

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, defendeu nesta quarta-feira, 17, seu histórico em matéria de segurança nacional, ao lembrar que desde os ataques de 11 de setembro de 2001 não aconteceram novamente atentados em território americano. Em discurso na Escola de Guerra do Exército dos EUA, em Carlisle, na Pensilvânia, Bush afirmou que após os atentados, nos quais morreram quase três mil pessoas, seu governo mudou "de maneira fundamental a estratégia para proteger o povo americano."   Veja também: Em 2009, apenas EUA devem permanecer no Iraque 'Tomamos a decisão certa no Iraque', diz Dick Cheney   Segundo ele, dessa reforma foi lançada "a maior reorganização do governo federal desde o começo da Guerra Fria" e "uma campanha global para combater terroristas no exterior". O discurso desta quarta de Bush faz parte de uma série feita nas últimas semanas para defender seu legado, quando lhe resta pouco mais de um mês até que deixe o cargo, no próximo dia 20 de janeiro.   "Embora caiba manter um debate honesto e saudável sobre as decisões que tomei, não se podem discutir os resultados na hora de manter os EUA sãos e salvos", declarou o presidente. Entre os planos desarticulados citou um projeto para derrubar o principal arranha-céu de Los Angeles e outro que buscava explodir os depósitos de combustível do aeroporto de Nova York John F. Kennedy.   "Nunca saberemos quantas vidas se salvaram, mas sabemos isso: desde 11/9, não aconteceu outro atentado em território americano", sustentou Bush.

Tudo o que sabemos sobre:
George W. BushEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.