Democratas prometem aos EUA economia dos anos 1990

Governo de Clinton é o parâmetro das promessas de pré-candidatos do partido americano

Efe,

14 de dezembro de 2007 | 02h56

Os seis principais pré-candidatos presidenciais do Partido Democrata prometeram, no seu último debate antes dos "caucus" de Iowa, devolver aos Estados Unidos a saúde econômica que o país mostrava nos 90, durante o governo de Bill Clinton. O debate aconteceu em Iowa, onde no dia 3 de janeiro começará a longa corrida presidencial, com os "caucus", reuniões nas quais as bases partidárias escolhem um candidato. A economia foi o tema principal do debate. Vários pré-candidatos lembraram o bom desempenho da economia do país no fim dos anos 90, com Bill Clinton. "Não temos que ir muito atrás para entender o que significa responsabilidade fiscal", disse a senadora Hillary Clinton, que lidera as enquetes em todo o país. "Não podemos continuar baixando os impostos, nem aumentando a despesa", acrescentou. O governador do Novo México, Bill Richardson, também lembrou a era Clinton ao definir as suas prioridades caso chegue à Casa Branca: equilíbrio fiscal e criação de empregos. John Edwards, ex-senador pela Carolina do Norte, atacou as grandes corporações e o segmento mais rico da população. Ele afirmou que o sistema fiscal favorece os mais abastados. "Precisamos de uma classe média e trabalhadora que seja capaz de economizar o suficiente para poder pagar a universidade de seus filhos sem se endividar", afirmou. Em geral, todos apontaram a necessidade de aumentar os impostos sobre os mais ricos e as grandes empresas, e de equilibrar as contas públicas. Mas reconheceram que não será fácil reduzir um déficit que já chega a US$ 127 bilhões. O senador por Illinois Barack Obama, segundo colocado nas enquetes do partido, afirmou que será impossível "subir à superfície" do déficit da era Bush em um ano ou dois. "Não será possível resolver isso em um ano. Vai levar tempo, mas a economia crescerá outra vez quando voltarmos à responsabilidade fiscal", concordou Hillary. Uma de suas propostas foi a de aumentar a eficiência da administração e reduzir os custos, renegociando os contratos com fornecedores privados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.