Kevin Dietsch/Efe
Kevin Dietsch/Efe

Democratas se aproximam de acordo sobre reforma da saúde

Ainda há temas a serem definidos no plano de reforma, mas ela pode ser votada nas próximas semanas

Reuters,

11 de março de 2010 | 23h11

Os democratas do Congresso se aproximaram nesta quinta-feira, 11, de um acordo sobre a ampla reforma da saúde, que poderia levar a uma votação final nas próximas semanas, mas se comprometeram a não se limitarem pelos prazos da Casa Branca.        

 

Veja também:

linkObama é mais popular do que o Congresso, segundo pesquisa

especialEspecial: Dez momentos do governo Obama

 

O líder democrata do Senado, Harry Reid, disse a jornalistas que ainda há temas a serem definidos no plano de reforma, e a presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, afirmou que abordaria as preocupações dos legisladores "uma por uma".

 

Os democratas disseram que estavam próximos de acordar com a Casa Branca as mudanças finais sobre impostos e acessibilidade dos consumidores, o que poderia terminar com meses de estancamento legislativo sobre a maior prioridade doméstica do presidente Barack Obama.

 

"Devemos abordar as preocupações que surgem uma por uma", disse Pelosi. Anteriormente, ela declarou a jornalistas que "temos o suficiente para seguir adiante".

 

Obama pressionou por uma votação final rápida sobre a reforma da saúde, o que gerou um prolongado debate político com seus opositores republicanos que consumiu o Congresso americano nos últimos nove meses.

 

Pela terceira noite consecutiva, o chefe de gabinete da Casa Branca, Rahm Emanuel, se reuniu com líderes do Congresso na Câmara e disse à imprensa posteriormente que "várias decisões foram tomadas", sem oferecer maiores detalhes.

 

Obama se reuniu nesta quinta na Casa Branca com congressistas negros e hispânicos, e iniciará novamente uma viagem pelo país na próxima semana para reunir apoio ao plano.

 

Os líderes do Congresso, que não cumpriram os prazos estipulados para aprovar a lei, resistiram à última meta da Casa Branca para concluir seus trabalhos antes que Obama inicie um giro pelo exterior em 18 de março. "Não vamos estabelecer nenhum prazo arbitrário", disse Reid depois de se reunir com senadores democratas.

 

Os partidários de Obama esperam aprovar a legislação para expandir a cobertura médica a mais de 30 milhões de americanos sem plano de saúde e regulamentar as práticas das seguradoras antes do recesso de duas semanas devido a Semana Santa, a partir de 26 de março.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.